Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Obama apoia candidatura de Biden à Presidência dos EUA

Ex-presidente havia mantido postura de neutralidade até agora, mas seu apoio pode ser crucial em cruzada contra Donald Trump

Por Da Redação
Atualizado em 14 abr 2020, 14h00 - Publicado em 14 abr 2020, 12h12

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama anunciou nesta terça-feira, 14, seu apoio à candidatura de Joe Biden à Casa Branca. Biden foi vice de Obama durante seus dois mandatos, entre 2009 e 2016.

“Acredito que Joe tenha todas as qualidades de que precisamos em um presidente neste momento”, disse Obama em um vídeo e comunicado. “Joe tem o temperamento e a experiência para nos guiar através de um dos nossos tempos mais sombrios. É por isso que tenho orgulho de apoiar Joe Biden para que se torne presidente dos Estados Unidos.”

O apoio do ex-presidente deve fortalecer a campanha de Biden contra Donald Trump em novembro. Até agora, Obama havia mantido uma postura de neutralidade na corrida pela indicação democrata, se recusando a demonstrar seu apoio e a qualquer um dos pré-candidatos.

Biden, contudo, se tornou o adversário oficial de Trump na semana passada, quando o senador Bernie Sanders desistiu das eleições. Sanders também apoiou Biden, em uma transmissão ao vivo no Twitter.

Obama passou a maior parte das primárias democratas em silêncio, tentando não intervir. Porém, ideias mais radicais defendidas por Sanders e pela senadora Elizabeth Warren preocuparam o ex-presidente, que chegou a se pronunciar contra reformas muito ousadas, como saúde pública ampla e irrestrita, estudo superior gratuito e arrocho nos ganhos dos bilionários e no poder dos grandes conglomerados.

Não é comum que presidentes em fim de mandato endossem pré-candidatos — em geral, esperam a convenção para só então mergulhar na disputa. Obama, no entanto, apoiou Hillary Clinton em 2016 dois meses antes da decisão, justamente porque seu adversário era Bernie Sanders, o “socialista democrático”.

O ex-vice-presidente disse que havia “pedido ao presidente Obama” para não apoiá-lo na disputa pela indicação democrata quando lançou sua candidatura, em abril de 2019.  

Mesmo afastado do cotidiano político, o ex-presidente manteve abertas as portas de seu escritório em Washington aos pré-candidatos e recebeu a maioria deles para distribuir conselhos.

Obama é considerado o político mais popular dos Estados Unidos e do mundo, segundo uma pesquisa da mercado realizada pela internet pela YouGov. Entre os entrevistados, 74% afirmaram ter uma visão positiva sobre o democrata.

Biden deve ser indicado oficialmente como candidato na convenção democrata prevista para 17 de agosto.

ASSINE VEJA

O vírus da razão O coronavírus fura a bolha de poder inflada à base de radicalismo. Leia também: os relatos de médicos contaminados e a polêmica da cloroquina ()
Clique e Assine

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.