Clique e assine a partir de 9,90/mês

Obama: Rússia não deve adotar mudança rápida de estratégia na Síria

Presidente americano não descartou, porém, a possibilidade de Putin se alinhar à coalizão liderada pelos Estados Unidos no futuro

Por Da Redação - 1 dez 2015, 13h05

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta terça-feira que não espera uma mudança rápida de estratégia do presidente russo, Vladimir Putin, sobre a Síria, mas acredita que Moscou eventualmente pode se alinhar à coalizão liderada pelos americanos contra militantes do Estado Islâmico (EI).

“Acho que Putin compreende que com o Afeganistão ainda fresco na memória, simplesmente se envolver em um conflito civil inconclusivo e paralisante não é o resultado que ele está buscando”, disse Obama em entrevista coletiva realizada em Paris, onde acontece a Cúpula do Clima das Nações Unidas (COP-21). “Acredito ser possível, nos próximos meses, ver uma mudança nos cálculos da Rússia e o reconhecimento de que é o momento de encaminhar a guerra civil na Síria para o fim.”

Leia também:

Bombardeios da Rússia na Síria já deixaram mais de 1.500 mortos

Continua após a publicidade

Putin diz que Rússia e Grã-Bretanha devem combinar esforços em luta contra terrorismo

EUA acusam Rússia de bombardear hospital na Síria

Em setembro, a Rússia anunciou uma coalização com Irã, Iraque e Síria para combater os jihadistas do EI. Eles apoiam as forças do governo do ditador Bashar Assad, cuja renúncia é exigida pela pelos Estados Unidos e aliados.

Clima – Obama também falou sobre os desafios no combate às mudanças climáticas, tema das discussões da COP-21, que acontece até 11 de dezembro. O presidente americano disse que o mundo precisa de um acordo duradouro para combater o problema e que vai buscar um pacto para impulsionar economias, assim como ajudar no meio ambiente. “Se deixarmos o mundo continuar aquecendo rapidamente como está, os níveis dos mares subindo como estão e os padrões climáticos mudando de maneiras inesperadas, então teremos que dedicar mais e mais dos nossos recursos econômicos não para oportunidades do nosso povo, mas para se adaptar às várias consequências das mudanças climáticas”, afirmou.

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade