Obama pede à África que combata o “câncer da corrupção”

O primeiro discurso de um presidente americano na sede da União Africana, em Adis Abeba, capital da Etiópia, marca o encerramento da viagem de Barack Obama ao continente

Por Da Redação - 28 jul 2015, 09h13

O presidente americano Barack Obama pediu nesta terça-feira que a África combata “o câncer da corrupção” para garantir um progresso contínuo, em seu discurso na União Africana. “Nada poderá desbloquear mais o potencial econômico da África do que o fim da corrupção”, afirmou Obama, acrescentando que a prática subtrai bilhões de dólares que poderiam ser usados para a saúde ou para criação de empregos.

O líder americano também aproveitou a oportunidade para criticar a visão distorcida que boa parte do mundo tem do continente africano. “É hora de o mundo deixar de lado os velhos estereótipos em relação à África. À medida que a África muda, eu peço ao mundo que mude sua abordagem com ela”, disse. Obama foi o primeiro presidente americano da história a discursar na sede da União Africana, em Adis Abeba, na Etiópia.

Leia também

Obama critica comentários “ridículos” de candidatos republicanos

Publicidade

Obama vai à Etiópia discutir combate ao terrorismo

Conheça Kogelo, o povoado da família Obama no Quênia

O ato marca o encerramento da viagem de Obama pela África, que o levou ao Quênia, terra onde seu pai nasceu, e à Etiópia. Nenhum dos dois países tinha sido visitado antes por um presidente americano em exercício. Antes do discurso, o presidente americano se reuniu com representantes da sociedade civil da Etiópia e com o presidente da Comissão da União Africana, Dlamini Zuma.

Durante a visita à Etiópia, Obama conversou com os líderes do Quênia, Uganda e Sudão para tratar da crise do Sudão do Sul e da atuação do grupo jihadista Al Shabab, da Somália, que mantém o país em estado de guerra e ameaça também o Quênia. O presidente americano descartou o envio de tropas à Somália, afirmando que os soldados africanos têm capacidade suficiente de combater a organização terrorista com o apoio dos EUA.

Publicidade

(Da redação)

Publicidade