Clique e assine a partir de 9,90/mês

Obama fará discurso não previsto sobre ameaças terroristas

Na noite deste domingo, presidente vai explicar medidas de segurança que serão adotadas dias após tiroteio ter deixado 14 mortos na Califórnia

Por Da Redação - 6 dez 2015, 08h31

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fará um discurso inesperado neste domingo para revelar os últimos detalhes da investigação sobre o tiroteio em San Bernardino, na Califórnia, que deixou 14 mortos na última quarta-feira. O líder americano deverá ainda falar sobre as medidas antiterroristas e de segurança que seu governo está tomando desde o ataque, que está sendo investigado como “ato de terrorismo” pelo FBI.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, anunciou no sábado em comunicado que o presidente comparecerá ao Salão Oval da Casa Branca às 20 horas locais (23 horas em Brasília) e que abordará sua “máxima prioridade”, que é a segurança dos americanos. “O presidente fará uma atualização sobre a investigação em curso sobre o ataque trágico em San Bernardino e, além disso, discutirá de maneira ampla sobre a ameaça de terrorismo, incluindo a natureza da ameaça, como evoluiu e como derrotá-la”, diz o comunicado.

Leia também:

Autora de tiroteio na Califórnia jurou aliança ao Estado Islâmico em rede social

Estado Islâmico diz que seguidores do grupo realizaram ataque que deixou 14 mortos na Califórnia

O porta-voz antecipou que Obama reiterará “sua firme convicção de que o Estado Islâmico (EI) será destruído” e que os Estados Unidos devem lançar mão de seus valores, “seu compromisso inquebrantável com a justiça, a igualdade e a liberdade para prevalecer sobre os grupos terroristas que utilizam a violência para avançar uma ideologia destrutiva”.

Obama, que foi informado pessoalmente pelas agências de segurança do país sobre a investigação do tiroteio na Califórnia, não tinha previsto em sua agenda nenhuma declaração deste tipo durante o fim de semana. No entanto, os recentes atentados em Paris e as informações que apontam que os autores do tiroteio podiam ter inspirado no grupo jihadista, puseram de novo na mira sobre a ameaça terrorista em solo americano.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade