Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Novo disparate da Coreia do Norte: unicórnios existem

Arqueologistas dizem ter confirmado existência de 'toca' em Pyongyang

Velhas conhecidas pela fabricação de verdades históricas, as ditaduras comunistas sempre foram prolíficas na invenção de mitos que pudessem engrandecer suas ideologias e ditadores. O esquizoide governo norte-coreano, que nunca fugiu a essa regra, conseguiu se superar neste fim de semana. Em nova tentativa de mitificar uma pretensa superioridade do povo norte-coreano, a agência estatal da Coreia do Norte, KCNA, anunciou a comprovação da existência de unicórnios. A notícia, anunciada na sexta-feira no país, foi assinada pelo Instituto de História da Academia de Ciências Sociais DPRK.

A prova da existência desses animais míticos, uma espécie de cavalo Tufão com um corno único na testa, seria a Toca do Unicórnio do Rei Tongmyong, fundador do Reino Koryo (918-1392), que teria sido achada por aqueológos norte-coreanos. Coincidentemente, a tal toca estaria localizada no subsolo do templo Yongmyong, exatamente na capital norte-coreana, Pyongyang. A lenda sobre a existência da toca sequer é nova. Na frente do templo existe uma pedra entalhada com as palavras “Toca do Unicórnio”, que os arqueólogos acreditam datar do período do Reino Koryo.

Leia também:

Leia também: Os mísseis do homem mais sexy do mundo, Kim Jong-un

“Os livros de História da Coreia do Norte falam do unicórnio, que foi cavalgado pelo rei Tongmyong”, disse à KCNA o diretor do Instituto, Jo Hui Sung. O antigo livro ‘Sinjungdonggukyojisungnam’, teoricamente escrito no século XVI, sobre a geografia coreana, já citava a toca do unicórnio.

Nenhuma prova científica da tal confirmação foi apresentada, claro, mas isso não chega a ser uma exigência em regimes totalitários. A KCNA, além do mais, é conhecida por divulgar notícias absurdas para engrandecer a imagem da Dinastia Kim.

Saiba mais:

Saiba mais: O que o estilo ‘dinâmico’ de Kim Jong-un tem de fato a dizer

A mitologia coreana se vale de lendas nacionais e contos tribais sobre divindades animais. O que talvez explique a tentativa patética de exaltar a existência do unicórnio pelo ditador Kim Jong-un – que, até onde se sabe, prefere Mickey e sua turma aos equinos chifrudos.