Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Nova maioria de direita se instala no Parlamento espanhol

Por Pierre-Philippe Marcou 13 dez 2011, 15h01

Dois fiéis do futuro presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, foram eleitos nesta terça-feira à frente das duas câmaras do Parlamento, dominado pela direita, que deverá começar a trabalhar no início do próximo ano para aplicar novas medidas de austeridade.

“Estão vindo tempos muito duros, no qual teremos que vencer a batalha do desemprego”, disse o rei Juan Carlos em um almoço oferecido ao governo atual.

O governo do Partido Popular (PP), vencedor das eleições de 20 de novembro, deverá ser formado no dia 22 de dezembro, após a posse, um dia antes, do novo presidente.

Jesús Posada, de 66 anos e deputado do distrito rural de Soria, foi eleito presidente do Congresso, a câmara baixa. Economista e engenheiro, foi ministro entre 1999 e 2002 (Agricultura e depois Administração Pública) sob o governo de José María Aznar.

À frente do Senado, Rajoy escolheu Pío García Escudero, de 59 anos, arquiteto e senador desde 1995, que ostenta o título de Conde de Badarán.

O Partido Popular venceu com uma maioria histórica as eleições legislativas, com uma severa derrota para os socialistas, no poder desde 2004, castigados por sua política de austeridade e por um desemprego de 21,52% de sua população economicamente ativa, um recorde entre os países industrializados.

No Congresso, o PP conquistou 186 assentos contra os 110 dos socialistas entre um total de 350 deputados. Rajoy anunciou a partir de agora tempos difíceis para a Espanha, e novas medidas de austeridade para tentar reduzir o déficit público, informando que terá que “cortar em tudo, menos nas aposentadorias”.

Estas eleições também estão marcadas pela entrada no Congresso dos independentistas radicais bascos da coalizão Amaiur, pela primeira vez desde 1996.

Ao dispor agora de sete deputados, esta coalizão pretende criar um grupo parlamentar, apesar da forte oposição do PP, o que permitirá, sobretudo, apresentar emendas aos projetos de lei do novo governo.

Continua após a publicidade
Publicidade