Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Noda renuncia como presidente do partido democrata PDJ

Conservadores voltam ao poder com vitória contundente do PLD nas eleições

Por Da Redação 16 dez 2012, 16h04

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihiko Noda, anunciou sua renúncia como presidente do Partido Democrata do Japão (PDJ) após a derrota nas eleições gerais deste domingo, que deram uma vitória contundente ao Partido Liberal-Democrata (PLD). “É necessário buscar um novo líder do PDJ para restaurar a confiança das pessoas no partido”, disse Noda, cuja legenda teria obtido menos de 50 cadeiras – em 2009, no pleito anterior, obteve 308.

O chefe de governo, que já comunicou sua renúncia ao secretário-geral do PDJ, Azuma Koshiishi, disse que o partido vai eleger um novo presidente antes da sessão extraordinária que o Parlamento vai realizar ainda neste ano. “Foi um resultado (eleitoral) duro. Quero aceitá-lo com seriedade, já que o considero um julgamento do povo, e a maior responsabilidade é minha”, afirmou Noda à imprensa.

Leia também:

Leia também: O cargo político mais instável do mundo: premiê do Japão

O premiê admitiu que sua legenda não foi capaz de responder às expectativas criadas com a vitória eleitoral de 2009, quando arrasou nas urnas e tirou do poder o PLD com uma promessa de mudança que não chegou a se materializar. O político também citou as divisões internas, que representaram um sério desgaste para o partido no último ano, e lamentou “profundamente” a saída dos parlamentares que faziam parte do PDJ quando este chegou ao poder.

O pleito deste domingo teve uma grande vitória do PLD, liderado pelo ex-primeiro-ministro Shinzo Abe, de 58 anos, que já governou o país por quase um ano, entre 2006 e 2007. Restando a divulgação dos resultados definitivos oficiais, a apuração parcial da rede de televisão NHK aponta por enquanto ao PLD 273 cadeiras, contra apenas 48 do PDJ.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade