Clique e assine a partir de 9,90/mês

Negociadores da Cúpula do Clima adiam acordo final para sábado

A previsão era a de que o texto definitivo fosse divulgado nesta sexta-feira. Segundo as delegações, "consultas a grupos" ainda são necessárias

Por Da Redação - 11 dez 2015, 06h47

Os negociadores dos cerca de 200 países que participam da Cúpula do Clima das Nações Unidas (COP-21), em Paris, devem anunciar um acordo definitivo para conter as mudanças climáticas na manhã neste sábado, e não na sexta-feira, como previsto anteriormente. Após passarem uma noite de discussões nesta quinta-feira, as autoridades concluíram que é preciso “consultar os grupos para fixar a versão final” e que não existirá uma nova “versão intermediária” do texto, segundo a presidência da conferência.

O prazo inicial era que os 195 países membros aprovassem o acordo durante a tarde desta sexta-feira. O principal objetivo da COP-21 é encontrar formas de limitar o aquecimento global a 2ºC em relação à era pré-industrial. Segundo as delegações presentes na Cúpula, que estenderam as últimas discussões até às 6h locais (3h em Brasília), esta sexta-feira será dedicada a “consultas”, antes da publicação do texto no sábado.

Leia também:

COP-21: Por que é importante um acordo contra as mudanças climáticas?

Cúpula do clima progride com novo rascunho de acordo, diz presidente da COP-21

O centro dos debates continua sendo o princípio de “responsabilidades comuns, mas diferenciadas” inscrito na Convenção da Rio-1992, que define uma distinção entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento no que diz respeito à responsabilidade histórica da mudança climática.

Os países ricos temem ser os únicos a realizar grandes esforços econômicos e de redução de emissões de gases do efeito estufa em consequência deste princípio. Por isso, pressionam para que os países emergentes, como China e Índia, que se tornaram grandes emissores de gases do efeito estufa, também tenham obrigações.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade