Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Não estamos em ‘House of Cards’, diz presidente chinês

Em visita aos EUA, Xi Jinping se referiu à série americana para dizer que a luta contra a corrupção em seu país não é uma luta pelo poder

Por Da Redação 23 set 2015, 17h39

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma referência à série americana House of Cards durante um discurso a empreendedores nesta quarta-feira em Seattle, nos Estados Unidos, para dizer que a luta contra a corrupção conduzida pelo seu governo não se trata de perseguição a adversários políticos. “Não tem nada a ver com luta pelo poder. Neste caso, não estamos em House of Cards“, disse.

Protagonizada por Kevin Spacey, a série produzida pela Netflix que conta os bastidores da política interna e externa americana é muito popular entre os chineses. Na segunda temporada, a trama envolve um funcionário do alto escalão do governo chinês acusado de corrupção por participar de um esquema para financiar a campanha do presidente americano por meio de investimentos em negócios de seu sócio nos Estados Unidos, um magnata com livre acesso à Casa Branca.

Leia também:

Presidente da China chega aos EUA para primeira visita oficial

Crise migratória e mudanças climáticas marcam visita do papa à Casa Branca

Além de House of Cards, o presidente chinês recorreu a outras referências da literatura e cultura pop americana em seu discurso. Entre os autores citados, o que ganhou destaque foi Ernest Hemingway. Xi afirmou que O Velho e o Mar, romance vencedor do prêmio Pulitzer publicado em 1952, o cativou tanto que ele visitou Cojimar, a vila de pescadores nos arredores de Havana que inspirou o livro. Em outra viagem, o líder chinês já revelou ter provado um mojito, a bebida preferida de Hemingway. “É sempre importante entender profundamente as culturas e civilizações diferentes das nossas”, disse Xi.

A primeira visita oficial de Xi Jinping aos Estados Unidos começou na terça-feira em um ambiente de crescente tensão entre os dois países. A desconfiança tem relação com os recentes ataques cibernéticos sofridos pelos EUA e atribuídos a hackers chineses e com o investimento militar dos asiáticos no Mar da China Meridional. Na próxima sexta-feira, dia 25, Xi será recebido na Casa Branca pelo presidente Barack Obama para tentar acalmar as relações.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês