Clique e assine a partir de 8,90/mês

Murdoch nega troca de favores com premiês britânicos

Cameron discorda, e diz que todos os partidos têm relações com o magnata

Por Da Redação - 25 abr 2012, 11h37

O magnata das comunicações Rupert Murdoch negou nesta quarta-feira as acusações de que teria usado seus jornais para manipular políticos britânicos, informou a rede britânica BBC. Murdoch, de 81 anos, prestou depoimento nesta quarta à comissão de inquérito que investiga a relação da imprensa com os políticos da Grã-Bretanha após o escândalo envolvendo escutas telefônicas de um de seus tabloides, o extinto News of the World.

Entenda o caso

  1. • O tabloide News of the World recorria a detetives e escutas telefônicas em busca de notícias exclusivas – entre as vítimas estão celebridades, políticos, membros da família real e até parentes de soldados mortos.
  2. • Policiais da Scotland Yard também teriam sido subornados para fornecer informações em primeira mão aos jornalistas.
  3. • O escândalo forçou o fechamento do jornal sensacionalista, que circulou por 168 anos e era um dos veículos do grupo News Corp., do magnata Rupert Murdoch.
  4. • Agora, a polícia investiga uso de grampos ilegais em outros jornais britânicos.

Leia mais no Tema ‘Grampos na Grã-Bretanha’

“Nunca pedi nada a um primeiro-ministro”, disse Murdoch, em referência à sua amizade com a ex-primeira-ministra Margaret Thatcher – uma das preferidas do magnata. “É apenas natural que políticos busquem editores e às vezes proprietários, se eles estiverem disponíveis, para explicar o que estão fazendo. Mas eu era apenas um entre muitos”.

Contradição – Calmo e lacônico, Murdoch disse que sua influência sobre os jornais é ‘superestimada’ e tentou minimizar sua imagem de magnata ameaçador e poderoso. “Tenho uma aura ou um carisma? Não acho”, afirmou, apesar de admitir que é ‘uma pessoa curiosa’, e que ‘não é bom em segurar a língua”.

Em desacordo com o depoimento de Murdoch, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse nesta quarta-feira ao Parlamento que ‘todos os partidos’ tinham alguma ligação com o magnata. “Acredito que em todos os lados desta Casa se precisa colocar a mão no coração”, disse ele, sob vaias de parlamentares da oposição. “Todos nós tivemos contato com Rupert Murdoch”.

Primeiro-ministro – Cameron está sob forte pressão para demitir o ministro da Cultura, Jeremy Hunt, que analisou em 2011 uma oferta de 12 bilhões de dólares da empresa News Corp, de Murdoch, para aumentar a sua participação na indústria da televisão britânica. Nesta quarta-feira, Hunt negou ter sido influenciado por Murdoch, apesar do filho do magnata, James, ter revelado detalhes constrangedores de conversas com o ministro. Após as insinuações, um assessor de Hunt se demitiu, mas Cameron permaneceu fiel ao ministro e disse que este tem seu ‘pleno apoio’.

Continua após a publicidade
Publicidade