Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mundo confia mais em Putin do que em Trump

Segundo pesquisa feita em 37 países, a credibilidade do presidente americano é menor do que a do controverso líder russo

Por Da redação - 27 Jun 2017, 19h31

Desde que assumiu a presidência dos Estados Unidos, Donald Trump manteve-se com baixa popularidade entre os americanos – a última pesquisa da rede CBS apontou uma aprovação de apenas 37%, menor índice de um presidente do país em 40 anos. Agora, uma pesquisa realizada pelo Pew Reserch Center em 37 países constatou que Trump está tão desacreditado globalmente que mais pessoas têm confiança no controverso presidente russo Vladmir Putin para “fazer o que é certo em relação aos assuntos mundiais” do que no americano, segundo divulgou nesta terça-feira a CNN.

O estudo comparou a opinião dos entrevistados também sobre os líderes de outras duas potências, Alemanha e China. Trump foi o presidente que obteve pior avaliação, sendo que 74% das pessoas disseram não confiar nele e apenas 22% afirmaram confiar. Outros 8% não souberam responder. Putin foi o segundo pior colocado, com 27% de confiança, seguido bem de perto por Xi Jinping, com 28%. Angela Merkel teve a avaliação mais positiva, com 42% das pessoas respondendo confiar na líder alemã.

O instituto de pesquisa contrapôs também a apreciação do atual presidente americano com a de seu antecessor, Barack Obama, que no período final de seu mandato, tinha 74% de confiança global. Entre os brasileiros entrevistados, a confiança no presidente americano caiu de 63%, no governo de Obama, para 13% com Trump à frente do país.

A política de Trump foi um dos principais fatores identificados pelo estudo como responsável pelo mau resultado do republicano. A saída do Acordo de Paris, o plano de construção do muro na fronteira entre Estados Unidos e México, e a intenção de afastar-se do acordo de armas nucleares com o Irã são os temas mais desaprovados pelos entrevistados.

Continua após a publicidade

Além disso, o caráter do presidente americano – apontado como “arrogante”, “intolerante” e “perigoso” – aparece como determinante na forma como ele é visto no exterior.

Publicidade