Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mulher e crianças morrem em nova tragédia com refugiados no mar

Pelo menos três migrantes — uma mulher e duas crianças — morreram neste domingo quando o bote inflável em que cruzavam da Turquia para a Grécia naufragou, e pelo menos sete pessoas estão desaparecidas no mar Egeu – informaram os serviços costeiros gregos. O restante conseguiu chegar à terra firme em segurança, disse uma porta-voz da guarda costeira grega.

LEIA TAMBÉM:

Desesperados com pobreza, refugiados sírios retornam à zona de guerra

Brasil prorroga por mais dois anos concessão de vistos a refugiados sírios

A busca realizada por um patrulheiro e um helicóptero da Frontex, a agência europeia de vigilância de fronteiras, encontrou os primeiros restos mortais logo no início da madrugada, os de uma mulher e duas crianças. Foram encontrados na água “uma quinzena” de passageiros, a maioria afegãos, que não sabiam nadar e usavam coletes salva-vidas de baixa qualidade, relatou a guarda costeira. No sábado, uma operação de busca foi realizada para tentar localizar um pequeno afegão de dois anos que caiu na água entre as costas turcas e de Lesbos, mas as buscas não tiveram resultado.

Dezenas de refugiados, incluindo muitas crianças, morreram tentando fazer a viagem curta, mas perigosa, da Turquia para as ilhas periféricas da Grécia nos últimos meses em botes infláveis muitas vezes superlotados. Mais de meio milhão de pessoas, muitas delas fugindo da guerra civil na Síria, conseguiu chegar à Grécia por essa rota em seu caminho para países do norte e do centro da Europa. A guarda costeira grega e as autoridades locais temem que, com o início do inverno, os naufrágios se multipliquem. De acordo com o depoimento de vários migrantes, os contrabandistas que atravessam as pessoas de um país para outro abaixam os preços quando o tempo piora para conseguir mais passageiros.

O presidente da Comissão Europeia, o Executivo da União Europeia, Jean-Claude Juncker, vai se reunir com líderes de alguns países do bloco neste domingo para pressionar por uma resposta coordenada ao fluxo de refugiados antes do início do inverno no continente.

(Com agências France-Presse e Reuters)