Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Morre mais um estudante na Venezuela

Um grupo de estudantes foi atropelado por um carro da empresa estatal PDVSA. José Mendez, de 17 anos, não resistiu aos ferimentos e faleceu no hospital

Morreu nesta terça-feira mais um estudante venezuelano que estava em manifestação contra o governo de Nicolás Maduro. De acordo com o jornal venezuelano El Nacional, o jovem estudante de Engenharia Naval, José Ernesto Mendez, de 17 anos, foi atropelado – propositalmente, segundo testemunhas – na noite desta segunda-feira por um veículo da companhia estatal Petróleo de Venezuela S.A. (PDVSA). O jovem é a quarta vítima fatal em decorrência dos protestos, que se iniciaram na semana passada. Há ainda dezenas de feridos e um grande número de pessoas detidas – o governo não comunicou a quantidade de presos.

Mendez e outros jovens foram atropelados enquanto participavam de uma manifestação na cidade de Carúpano no estado de Sucre, no extremo norte do país. Na manhã desta terça-feira, o deputado opositor Cesar Rincores confirmou a morte do estudante em seu Twitter. Segundo relatos de testemunhas, os estudantes foram atropelados por um veículo modelo Ford Runner identificado com o logotipo da PDVSA. As vítimas estavam bloqueando a Avenida Perimetral, no centro de Carúpano. Mendez sofreu graves ferimentos na cabeça e foi levado para o centro cirúrgico da Policlínica de Carúpano, mas não resistiu. Outra vítima ainda não identificada teve as pernas fraturadas no atropelamento.

Leia também

Em dia de novos protestos, Venezuela fica sob tensão

Partido opositor venezuelano denuncia invasão à sede

Líder opositor promete se entregar e convoca ato contra Maduro

Maduro expulsa três funcionários consulares dos EUA

Nesta terça-feira a capital Caracas será palco de grandes manifestações organizadas pelo governo e pela oposição. O político de oposição Leopoldo López, líder do partido Vontade Popular (VP), que teve sua prisão decretada pela Justiça, desafiou as autoridades a lhe prenderem quando aparecer em público nos protestos desta terça. Maduro declarou que se López for localizado pela polícia, será preso. López é apontado pelo governo como responsável pelos protestos que estremecem o país. Ele é alvo de um mandado de prisão, por acusações que incluem terrorismo, tentativa de golpe de Estado e homicídio. No domingo, o líder foragido postou um vídeo na internet convocando a nova passeata em direção à sede do Ministério de Interior e Justiça, na capital.

O chavismo também organiza suas forças e, segundo seus defensores, prepara-se para tomar as ruas de Caracas. Bandas irão animar a caminhada dos trabalhadores do petróleo que apoiam o governo. A marcha oficial está programada para seguir em direção ao palácio de Miraflores, sede do Executivo, e os apoiadores do governo serão recebidos pelo presidente Maduro. O presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, e o prefeito do município de Libertador, a oeste de Caracas, Jorge Rodriguez, prometeram que “o fascismo não virá para Caracas”.

Leia mais

Manifestantes voltam às ruas contra a violência em Caracas

Vídeos mostram confrontos e morte durante protestos na Venezuela

Invasão – Segundo o jornal espanhol El País, a Direção de Contrainteligência Militar – órgão subordinado ao Exército venezuelano – invadiu a sede do partido opositor VP na noite desta segunda-feira. Vídeos postados na internet, gravados por câmeras de segurança do local, mostram um grupo de oficiais arrebentando a porta e invadindo a sala de espera e os gabinetes da sede política. Os líderes da oposição acusam a ação de ilegal e exigem uma cópia do mandado de busca e apreensão autorizando a invasão, mas até agora o documento não foi revelado pela Justiça venezuelana.