Clique e assine com até 92% de desconto

Missão da Liga Árabe visita reduto da oposição na Síria

Observadores se reuniram com governador de Homs, Ghasan Abdel Al

Por Da Redação 27 dez 2011, 05h57

A missão da Liga Árabe enviada à Síria está a caminho de Homs, reduto da revolta contra o regime do ditador Bashar Assad. Segundo o líder da missão, o general sudanês Mohamed Ahmed Mustafah al-Dabi, o regime de Damasco está cooperando com os 50 observadores que estão no país.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança do ditador, que já mataram mais de 5.000 pessoas no país, de acordo com a ONU, que vai investigar denúncias de crimes contra a humanidade no país.
  3. • Tentando escapar dos confrontos, milhares de sírios cruzaram a fronteira e foram buscar refúgio na vizinha Turquia.

Leia mais no Tema ‘Revoltas no Mundo Islâmico’

A missão desembarcou na Síria na segunda-feira, e agora está reunida com o governador de Homs. “A delegação de observadores da Liga Árabe iniciou a reunião com o governador de Homs, Ghasan Abdel Al”, anunciou o canal Dunia, antes de informar que o grupo também pretende visitar Hama (norte) e Idleb (noroeste), mas sem revelar as datas das viagens.

Pouco antes, vários bairros de Homs foram bombardeados pelas forças de repressão e mais de 30 pessoas morreram, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH, ligado à oposição), que tem sede em Londres. De acordo com a oposição a Assad, o Exército sírio retirou tanques antes da chegada dos observadores. Onze veículos militares deixaram o local no início da manhã, segundo Rami Abdel Rahman, diretor do OSDH.

A missão enviada pela Liga Árabe é parte do roteiro traçado para conter a violência no país, que inclui ainda a libertação de presos, a saída do Exército das cidades e a livre circulação no país para os observadores e a imprensa.

Segundo a ONU, mais de 5.000 pessoas morreram na Síria desde o início da revolta contra o regime de Assad. O governo alega que a violência é responsabilidade de grupos armados rebeldes, e que os confrontos já mataram 2.000 soldados.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade