Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministra do Transporte belga renuncia por falhas de segurança em aeroportos

Jacqueline Galant ignorou relatórios que alertavam para "graves deficiências" no controle de segurança de aeroportos da Bélgica

A ministra do Transporte da Bélgica, Jacqueline Galant, renunciou ao cargo nesta sexta-feira após as críticas recebidas pelas falhas de segurança dos aeroportos belgas, sobre as quais a Comissão Europeia (CE) alertou em 2015. A renúncia de Galant já foi aceita pelo primeiro-ministro belga, o liberal Charles Michel, informou o jornal Le Soir. A CE alertou em relatórios de 2011 e junho de 2015 sobre “graves deficiências” no controle da segurança dos aeroportos belgas, entre eles o de Bruxelas, alvo de um atentado no dia 22 de março.

Em um primeiro momento, tanto Galant como Michel afirmaram que o Ministério do Transporte não teve acesso a esses documentos. No entanto, documentos divulgados por vários jornais locais, entre eles Le Soir e La Libre Belgique, provam que Galant estava ciente das deficiências advertidas pela CE e que inclusive compareceu a reuniões que abordaram esses relatórios.

Leia também:

Suspeito de atentados em Paris é detido em Bruxelas, reporta imprensa belga

Primeiro-ministro belga prevê novos ataques terroristas na Europa

Número vítimas em atentados de Bruxelas sobe para 35

Para fazer frente às falhas detectadas pela CE, o Ministério do Transporte tentou reforçar sua equipe de inspeção e, em fevereiro, solicitou ao gabinete de Galant uma parte do orçamento de 400 milhões de euros liberados pelo governo federal após os atentados de novembro em Paris para lutar contra atos terroristas e prevenir atentados.

De acordo com a emissora pública RTBF, essa solicitação foi rejeitada pela ministra, que pediu parte desse orçamento para reforçar o Belgocontrol, o organismo belga de controle aéreo.

Críticas – A gestão de Galant foi alvo de várias críticas durante seu ano e meio de mandato. Em outubro, a ministra assinou um grande contrato com o escritório de advocacia Clifford Chance sem ter realizado um processo de licitação antes.

O jornal La Libre Belgique lembrou hoje que vários documentos provavam que a ministra e seu gabinete eram cientes da obrigação legal de consultar e comparar as diversas ofertas antes de firmar o contrato, mas que nada disto aconteceu.

Além disso, em fevereiro a ministra voltou a estar no foco de todas as críticas após mudar de um dia para o outro sua opinião sobre a importância da construção de vias entre Bruxelas-Nivelles e Bruxelas-Ottignies. Após dizer que estes trajetos “não eram uma prioridade” para as autoridades ferroviárias, no dia seguinte a ministra anunciou a apresentação de “um plano que assegure a construção de quatro vias nestas linhas”, lembrou o jornal.

(Com EFE)