Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Michelle Obama posta foto em apoio às meninas nigerianas

Primeira-dama dos Estados Unidos aderiu à campanha pela libertação das mais de duzentas jovens sequestradas pelo grupo terrorista islâmico Boko Haram

A primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama entrou na campanha internacional pela libertação das mais de duzentas meninas nigerianas sequestradas pelo grupo terrorista islâmico Boko Haram. Em uma foto postada no Twitter na noite de quarta-feira, Michelle aparece segurando um cartaz com a hashtag #BringBackOurGirls (Tragam de volta nossas garotas, em português), que está sendo usada nas redes sociais para mostrar apoio às jovens raptadas. “Nossas orações estão com as meninas nigerianas e suas famílias”, escreveu a primeira-dama.

Leia mais:

O Boko Haram não entende o Islã, diz Malala Yousafzai

Nigéria dará recompensa por pistas de meninas raptadas

Na última terça-feira, o presidente americano Barack Obama anunciou o envio de uma equipe de especialistas, formada por militares e policiais, para ajudar as autoridades nigerianas a localizar as jovens. Grã-Bretanha e França também ofereceram auxílio. Na mais recente tentativa do governo da Nigéria de solucionar o sequestro, foi oferecida uma recompensa de 50 milhões de nairas (cerca de 690.000 reais) para quem fornecer informações sobre o cativeiro das garotas.

As jovens, com idades entre 12 e 18 anos, foram sequestradas há mais de duas semanas em uma escola de Chibok, no estado de Borno, no norte do país. O Boko Haram assumiu a autoria da ação e ameaçou “vender” as garotas ou obrigá-las a se casarem. Algumas já teriam sido vendidas na fronteira com Chade e Camarões por até 12 dólares (26 reais).

Reinaldo Azevedo: Mundo ignora ação de milícias islâmicas contra cristãos

Estado islâmico – O grupo, cujo nome significa ‘a educação não islâmica é pecado’, reivindica a criação de um estado islâmico no norte do país, onde a maioria da população é muçulmana. Desde 2009, os ataques do Boko Haram já deixaram mais de 3.000 mortos. No mais recente, realizado na última segunda-feira, cerca de 150 pessoas morreram depois que terroristas do grupo abriram fogo contra um mercado na cidade de Gamboru Ngala.