Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

México: acúmulo de gás causou explosão na Pemex

Número de mortos chegou a 37 nesta segunda, após morte de mulher internada

As autoridades mexicanas atribuíram nesta segunda-feira a explosão ocorrida na semana passada na sede corporativa da estatal Petróleos Mexicanos (Pemex), na Cidade do México, a um acúmulo de gás. O procurador-geral do país, Jesús Murillo, informou em entrevista coletiva que a explosão no porão do edifício provocou movimentos bruscos na estrutura nos andares superiores, que desabaram sobre a maioria das vítimas.

O número de mortos causados pela explosão subiu nesta segunda para 37, depois da morte de uma mulher em um hospital do sul da capital, informou a Pemex. “Infelizmente, confirmamos a morte de uma das funcionárias hospitalizadas. O número de mortos chega a 37”, indicou a companhia em sua conta do Twitter.

O corpo de outra mulher resgatada no local onde ocorreu a explosão está no necrotério como desconhecida, enquanto uma terceira ainda é procurada por seus parentes, que indicaram que o corpo que está no Instituto Médico Legal não corresponde ao da mulher procurada. As autoridades aguardam os resultados do exame de DNA para determinar se é a mesma pessoa.

Galeria de fotos: Explosão atinge prédio da Pemex, no México

A explosão, que ainda não teve suas causas esclarecidas, destruiu os andares inferiores de um edifício de 13 andares, no complexo de quatro prédios que abriga a sede da petroleira na capital, e onde estava localizado o setor de recursos humanos.

Junto com as equipes de resgate trabalham especialistas em desabamentos e explosivos para determinar as causas da explosão. A procuradoria geral e a direção da Pemex concederão uma entrevista coletiva à imprensa na noite desta segunda-feira para informar sobre os avanços da investigação.

Está previsto que os trabalhos na Pemex, suspensos na quinta-feira passada, sejam retomados na terça após o feriado desta segunda no México. Estima-se que cerca de 10.000 pessoas trabalhem no complexo.

(Com agências EFE e France-Presse)