Clique e assine com até 92% de desconto

Mentor de grupo que cometeu atentados na Espanha vive no Brasil

José de las Heras Hurtado é apontado como líder do grupo de extrema direita Frente da Juventude, que realizou atentados na Espanha na década de 70

Por Da Redação 12 jun 2016, 11h36

Um espanhol apontado como mentor de um grupo de extrema direita que realizou atentados sangrentos no fim dos anos 1970 vive no Brasil, para onde fugiu quando seria processado por assassinato. O jornal El País, que divulgou o caso neste domingo, localizou e entrevistou o homem.

“Sim. São os primeiros a chegar. Como me localizaram?”, perguntou José de las Heras Hurtado, de 72 anos, ao confirmar sua identidade ao jornal. Atualmente, ele vive no Guarujá, em São Paulo, onde administra um modesto restaurante. Deixando para trás a mulher e dois filhos, o advogado fugiu da Espanha em 1984, quando começava seu julgamento pelo atentado contra um bar de Madri, em 1979. O episódio deixou um morto e uma dezena de feridos na época da transição do país para a democracia.

As autoridades apontavam Hurtado como líder do grupo Frente da Juventude, ao qual são atribuídos esse e outros atentados, que, no total, causaram três mortes. Apesar de ter sido detido em 1981 com outros membros da organização, o homem afirmou que não conheceu as pessoas que cometeram os ataques e que deixou a Espanha porque não teria um julgamento justo.

Leia também:

Menor brasileiro é preso por matar e esquartejar seu pai na Espanha

“Quando cheguei ao Brasil, meu julgamento começava na Espanha às 10h30. Dei gargalhadas. Eu estava no Rio de Janeiro! Ser condenado a 20 anos de cadeia? Passar 20 ou 25 anos da minha vida em uma prisão? Não, sob nenhuma hipótese. Eu amo a liberdade”, disse ao jornal. “Parti porque me disseram: seu caso está prejulgado, certamente irão condená-lo. Nunca me arrependi de minha decisão”, comentou Hurtado.

Graças aos laços criados com a direita latino-americana, o homem chegou à América Latina com cartas de recomendação para viver no Chile ou Paraguai, regidos por ditaduras de direita, mas optou pelo Brasil, onde começou uma vida nova como cozinheiro em um hotel. Apesar de as três ordens de captura internacionais da Justiça espanhola contra ele já terem prescrito, Hurtado afirma que não pensa em deixar o país, onde vive com a nova mulher, uma brasileira.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade