Clique e assine com 88% de desconto

Manifestantes de Ferguson protestam dentro de lojas durante Black Friday

Grupos entraram em várias lojas do Walmart na região de Saint Louis para manifestar repúdio contra decisão de grande júri

Por Da Redação - 28 nov 2014, 07h29

Manifestantes de Ferguson, no Estado americano do Missouri, realizaram protestos dentro de grandes lojas varejistas da região de Saint Louis durante a madrugada da “Black Friday”, em uma nova tática para expressar sua ira com a decisão de um grande júri de não indiciar o policial branco Darren Wilson por ter matado o jovem negro Michael Brown. Também foram registradas manifestações menores em outras cidades americanas, como Nova York e Los Angeles.

Um dos grupos deu início à nova estratégia dentro de uma loja do Walmart em Manchester, um subúrbio de Saind Louis próximo de Ferguson. Cerca de 75 manifestantes protestaram de forma pacífica, gritando “Hands up, don’t shoot!” (Mãos ao alto, não atire!), atrapalhando consumidores que empurravam seus carrinhos de compra.

Os manifestantes se dispersaram de forma pacífica quando receberam ordens de sair por um pequeno grupo de policiais, e foram então para uma loja da Target, onde realizaram um protesto similar. Há mais manifestações do tipo previstas para esta sexta-feira.

Leia também:

Publicidade

Por que o policial de Ferguson não foi indiciado​

Garoto de 12 anos com arma de brinquedo é morto pela polícia

Morte de mais um negro ameaça elevar tensões no Missouri

Autópsia mostra que jovem morto no Missouri levou seis tiros

Publicidade

Outros protestos foram registrados em um loja do Walmart no suburbio de Brentwood e em outras duas de St. Charles. O Walmart de Ferguson não abriu nesta sexta-feira. Na segunda e na terça-feira a cidade registrou uma série de saques e depredações contra estabelecimentos comerciais. Doze imóveis comerciais foram incendiados e mais de 100 pessoas foram detidas em confrontos com a polícia.

A violência explodiu depois que Darren Wilson matou Michael Brown em 9 de agosto. O Departamento de Justiça dos EUA está investigando possível abuso de direitos civis.

(Com agência Reuters)

Publicidade