Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mandela respira sem dificuldades

Ex-presidente sul-africano, de 94 anos, foi hospitalizado na última quinta feira, com reincidência de uma infecção pulmonar

Por Da Redação - 30 Mar 2013, 12h45

O ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela, de 94 anos, respira sem dificuldade depois ter recebido tratamento para reincidência de uma infecção pulmonar, segundo comunicado da presidência divulgado neste sábado. “Os médicos anunciaram que, devido a uma infecção pulmonar, o ex-presidente Mandela tinha desenvolvido um derrame pleural que foi drenado”, disse. O derrame pleural é o excesso de liquido no pulmão. Mandela, internado desde a última quinta-feira, continua respondendo bem ao tratamento.

Cronologia: Mandela, o caminho para a liberdade

O comunicado do presidente Jacob Zuma informa que a razão da internação de Madiba, apelido pelo qual é carinhosamente chamado, está relacionada a uma pneumonia. Ele ainda agradeceu as orações e as mensagens de apoio dos cidadãos sul-africanos. O tempo de permanência do ex-presidente no hospital não foi informado.

Saúde – A infecção pulmonar que o ex-presidente enfrenta é reincidente e manifestou-se pela primeira vez em 2001. Em 8 de dezembro do ano passado, após passar por uma cirurgia para remoção de cálculos biliares, Mandela passou três semanas no hospital para tratar da infecção nos pulmões e recebeu alta em 26 de dezembro – foi o período mais longo passado pelo líder em um hospital em mais de 20 anos.

Continua após a publicidade

Ao sair do hospital, seus parentes preferiram instalá-lo em sua casa de Johannesburgo, a 60 quilômetros de Pretoria e perto dos centros médicos mais modernos do país. Em fevereiro, ele voltou a ser internado num hospital devido a dores abdominais, mas foi liberado no dia seguinte. Essa é a terceira internação de Mandela nos últimos quatro meses.

Biografia – Primeiro presidente negro da África do Sul, Nelson Mandela lutou durante 67 anos contra o regime de segregação racial do apartheid, imposto pela minoria branca sul-africana até sua eleição em 1994, dedicação que lhe valeu, em 1993, o Prêmio Nobel da Paz. Após o fim do mandato, concentrou suas energias em ações junto a organizações sociais e de direitos humanos, promovendo campanhas como a de combate à aids.

Em 2003, aos 85 anos, anunciou sua aposentadoria da vida pública, alegando problemas de saúde. Sua última aparição pública aconteceu na cerimônia de encerramento da Copa do Mundo de futebol, de 2010, na África da Sul. No dia 10 de fevereiro deste ano, recebeu a visita do presidente Zuma, que disse tê-lo visto “em bom estado e relaxado”, vendo televisão. Mas alguns dias depois, seu amigo George Bizos, um advogado conhecido no país, o visitou e mostrou-se menos entusiasmado.

(Com agência EFE)

Publicidade