Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mais dois corpos são encontrados em shopping atacado no Quênia

Jornal local diz que vítimas eram soldados do Exército; buscas nos escombros do complexo continuam

Mais de dez dias após a tomada do Shopping Westgate por terroristas islâmicos, equipes de resgate do Quênia localizaram dois corpos nas ruínas do centro comercial, em Nairóbi. Com a descoberta, o total de mortes na ação chega a 74 pessoas – incluindo cinco terroristas.

Nesta quarta-feira, a porta-voz da polícia, Zipporah Mboroki, confirmou o resgate dos corpos, mas não informou a identidade das vítimas. No entanto, fontes de inteligência citadas pelo jornal queniano The Standard disseram que os mortos eram soldados.

Leia também:

Governo do Quênia foi avisado sobre ataque, diz CNN​

Se a informação for confirmada, terão morrido no ataque um total de oito minitares. Já entre os civis, houve 61 mortes. Alguns membros das equipes de resgate especulam que mais corpos possam estar encobertos na seção do shopping que desabou após explosões e um incêndio. Segundo um relatório da Cruz Vermelha, 39 pessoas permanecem desaparecidas.

“Há mais corpos, mas a quantidade de escombros complica o resgate”, disse um membro do serviço de emergência sob condição de anonimato. Também foram encontrados no shopping oito membros de corpos humanos, mais um indício de que os reféns foram torturados pelos terroristas – relatórios elaborados por legistas com base na análise de corpos resgatados já haviam apontado essa suspeita.

O shopping Westgate foi tomado por membros do grupo radical islâmico Al Shabab no dia 21 de setembro. Dezenas de pessoas foram mortas pelos terroristas – e outras tomadas reféns. O centro de compras só foi retomado por tropas do governo após quatro dias de cerco.

Onze suspeitos de participação no ataque seguem presos. O grupo Al Shabab, que é ligado à rede terrorista Al Qaeda, disse que o ataque foi realizado em represália à presença de 4 000 solados do Quênia no Sul da Somália desde 2011, para combater a ação de terroristas e bandos armados.

(Com agência EFE)