Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mais de 300.000 pessoas no mundo morreram devido ao coronavírus

Cerca de 4,4 milhões de pessoas foram infectadas pelo vírus; novo marco das fatalidades ocorre enquanto países traçam planos para reabertura

Por Da Redação
Atualizado em 14 Maio 2020, 16h33 - Publicado em 14 Maio 2020, 16h17

O número de mortos pelo coronavírus atingiu hoje a marca de 300.000 pessoas no planeta. Foram contaminadas pela doença 4,4 milhões de pessoas. Desse universo, 1,5 milhão conseguiram se recuperar. Os dados são catalogados em tempo real pela Universidade Johns Hopkins.

Especialistas apontam que, dadas as variadas maneiras pelas quais diferentes países relatam os números da Covid-19, doença respiratória causada pelo coronavírus, o verdadeiro número de infecções e fatalidades pode ser muito maior.

Os óbitos chegaram a 100.000 no dia 10 de abril, quatro meses após o novo vírus ser registrado pela primeira vez na China. O número dobrou no dia 25 de abril, e chega ao marco de 300.000 menos de um mês depois.

O elevado número de mortos ocorre ainda em um cenário de paralisação devido à pandemia, com governos ao redor do mundo apenas começando a suspender restrições estritas de lockdowns e bloqueios nacionais. Enquanto isso, países como Estados Unidos,  Reino Unido e Brasil ainda lutam para controlar seus surtos.

Continua após a publicidade

Mais de um quarto do total de mortes, cerca de 84.000, ocorreram nos Estados Unidos. Lá, os óbitos dispararam ao longo de abril e continuam a subir a uma taxa de cerca de 1.500 por dia. Durante semanas, o país sofreu mais mortes acumuladas do que qualquer outro. No entanto, a maioria dos estados do país fez planos para iniciar uma reabertura gradual.

Mesmo países que parecem ter superado o pior de suas crises, como China e Coréia do Sul, estão descobrindo que voltar à normalidade é um processo longo e incerto.

Continua após a publicidade

O Brasil está em 6º lugar na classificação mundial de número de doentes, com 196.375 casos e 13.555 mortos, segundo a última contagem do site. Os números são levantados junto a ministérios da saúde em todo o planeta.

O novo marco no número de óbitos ocorre após a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertar, na quarta-feira 13, que o vírus “pode ​​nunca desaparecer”.

ASSINE VEJA

Quarentena em descompasso Falta de consenso entre as autoridades e comportamento de risco da população transforma o isolamento numa bagunça. Leia nesta edição ()
Clique e Assine

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.