Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Maduro prende lojistas acusados de ‘provocar filas’

Economistas afirmam que a escassez é resultado da péssima condução econômica do país, que limita importações e tem a produção interna em queda

Por Da Redação 2 fev 2015, 08h32

A Venezuela prendeu os proprietários de uma rede de lojas chamada Farmatodo acusados de provocarem filas intencionalmente para aumentar a raiva da população com o governo socialista, disse o presidente Nicolás Maduro neste domingo.

A escassez crônica de produtos básicos, incluindo farinha, óleo, frango e fraldas, tem provocado filas enormes que, em alguns casos, dão a volta no quarteirão e se tornaram um pesadelo para os venezuelanos. A maioria dos economistas afirma que a culpa é do rígido controle cambial que restringe os dólares para importações, além da queda da produção interna.

Leia também

Venezuela libera arma de fogo contra manifestações

Ex-chefe de segurança de Chávez liga número 2 da Venezuela ao narcotráfico

Escassez de alimentos aumenta roubos na Venezuela

Maduro, no entanto, acusa empresários gananciosos da elite de travarem uma “guerra econômica” para tentar derrubar seu governo. “Nós detectamos que uma famosa rede de lojas estava conspirando, irritando as pessoas”, disse Maduro a uma plateia de apoiadores e soldados. “Nós chegamos, normalizamos as vendas, convocamos os proprietários e agora eles estão presos por terem provocado as pessoas”, disse o presidente, sob aplausos, acrescentando que o governo vai assumir o comando dos mercados. Segundo Maduro, as lojas reduziram intencionalmente o número de caixas para provocar filas.

A rede Farmatodo emitiu um comunicado afirmando que seu departamento jurídico está tomando conta do caso e confirmou que os executivos da empresa “foram convidados a dar declarações no Sebin” – o Serviço Bolivariano de Inteligência. Até o momento, segundo reporta o jornal El Nacional, permanecem detidos o presidente da Farmatodo, Pedro Luis Angarita, o gerente de Relações Institucionais da cadeia, Gonzalo Azuaje, e um outro gerente não identificado. Uma fonte ouvida pelo jornal que preferiu não identificar disse que o governo também prepara uma ocupação na cadeia de supermercados Dia a Dia.

Continua após a publicidade
Publicidade