Clique e assine com até 92% de desconto

Maduro anuncia que Venezuela iniciará ‘nova etapa de diálogo’ com EUA

O presidente venezuelano afirmou estar pronto para nomear embaixador em Washington

Por Da Redação 14 jun 2016, 22h00

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta terça-feira que seu governo iniciará uma “nova etapa de diálogo” com os Estados Unidos, após uma reunião entre a chanceler venezuelana Delcy Rodríguez e o secretário de Estado americano, John Kerry, na Assembleia-Geral da Organização de Estados Americanos (OEA), em Santo Domingo, na República Dominicana.

“Eles propuseram que iniciemos uma nova etapa de diálogo com novos canais de comunicação e um conjunto de encontros em alto nível de forma imediata, e eu disse à chanceler: ‘Aprovado’. Vamos iniciar esta série de encontros de alto nível, estou de acordo”, afirmou Maduro, em ato oficial transmitido em rede nacional.

O presidente venezuelano disse estar “pronto para nomear embaixadores e regularizar as relações” entre os dois países, cujos governos retiraram seus embaixadores em 2010.

Na reunião, Kerry e Rodríguez acertaram que o vice-secretário de Estado Thomas Shannon visitará a Venezuela muito em breve para avançar em um diálogo bilateral, informou o diplomata americano.

Leia mais:

Kerry pede à Venezuela que liberte presos políticos e alivie a escassez

Maduro alega fraude e pede suspensão de referendo

Continua após a publicidade

Deputados opositores são agredidos durante protesto na Venezuela

Após o encontro, o secretário de Estado americano disse à imprensa: “Conversamos sobre o referendo revogatório (…), tratamos de dizer que eles devem responder de modo que mostrem abertura e respeito a sua própria lei”. “Os venezuelanos têm direito a usar os mecanismos constitucionais para manifestar sua vontade de maneira democrática”, afirmou Kerry, ao pedir a realização de um “referendo justo e oportuno”.

Caracas e Washington têm uma longa lista de embates – a Venezuela acusa os Estados Unidos de “intervencionismo imperialista”, enquanto a Casa Branca acusa funcionários do governo venezuelano de violar os direitos humanos.

‘Assuntos internos’ – Mais cedo, diante da Assembleia-Geral da OEA, Kerry fez um apelo à libertação dos presos políticos venezuelanos, respeito à liberdade de expressão e alívio à escassez de alimentos e medicamentos que o país sofre, ao que a chanceler Delcy Rodríguez respondeu, irritada: “Os assuntos internos da Venezuela os resolvem os venezuelanos”.

De acordo com o secretário de Estado, a invocação da Carta Democrática Interamericana por parte do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, abrirá “a discussão de que Venezuela tanto necessita (…) sobre as dimensões política, econômica, social e humanitária dessa crise”.

O Conselho Permanente da OEA deve decidir por maioria se inicia gestões diplomáticas para a Venezuela, em sessão extraordinária na próxima semana. O governo da Venezuela tenta garantir pelo menos 18 votos a favor para essa sessão. Com isso, teria condições de bloquear a aplicação de medidas, como prevê a Carta Democrática.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade