Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Macron diz que Otan está em estado de ‘morte cerebral’

Presidente francês critica falta de coordenação entre Europa e Estados Unidos e ações da Turquia na Síria

Por Da Redação Atualizado em 7 nov 2019, 14h02 - Publicado em 7 nov 2019, 13h19

O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se encontra em estado de “morte cerebral” pela falta de coordenação entre Europa e Estados Unidos e pelas ações agressivas da Turquia — o segundo maior exército do grupo — na Síria. As declarações foram dadas em em entrevista à revista The Economist publicada nesta quinta-feira, 7.

“Não há nenhuma coordenação na tomada de decisões estratégicas entre Estados Unidos e seus aliados da Otan. Nenhuma. Há uma ação agressiva, descoordenada, de outro aliado da Otan, a Turquia, em uma zona em que nossos interesses estão em jogo”, completou Macron.

Defendendo uma maior autonomia militar e estratégica para a Europa e um diálogo mais amplo com a Rússia, Macron disse que a situação atual da Otan “é um grande problema”, e que não há uma estratégia clara dentro da instituição.

Macron também questionou o futuro do artigo 5 da Otan, que estabelece que um ataque contra um Estado membro da organização é considerado um ataque contra todos.

“O que significará o artigo 5 amanhã? Se o regime de Bashar Assad decidir adotar represálias contra a Turquia, vamos nos comprometer com eles? É uma pergunta crucial”, disse.

“Entramos no conflito para lutar contra o Estado Islâmico. O paradoxo é que tanto a decisão americana como a ofensiva turca apresentaram o mesmo resultado: sacrificar nossos aliados que lutaram contra o Estado Islâmico no campo de batalha, as Forças Democráticas Sírias (FDS)”, lamenta o presidente francês.

Continua após a publicidade

No início de outubro, o governo dos Estados Unidos anunciou a retirada de suas forças das áreas de fronteira com a Turquia, no norte da Síria. Dois dias depois, a Turquia iniciou uma operação militar contra as forças curdas na região. 

Durante os anos da guerra civil na Síria, as forças da Otan auxiliaram as FDS a se equiparem e lutarem contra o Estado Islâmico e o regime sírio. A força curda Unidades de Proteção Popular (YPG), grupo principal das SDF, foi a responsável por dar o último golpe ao EI em fevereiro deste ano.

A invasão turca na Síria tem como objetivo expulsas da fronteira as forças curdas e mudar a demografia do território ao assentar os refugiados sírios que se encontram dentro do país. Para o governo turco, as milícias curdas são grupos terroristas.

A Turquia suspendeu sua ofensiva após um acordo com a Rússia. Ainda assim, rebeldes apoiados por Ancara têm entrado em choque com tropas leiais a Assad e com as FDS na região

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)