Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Lula compara tratamento contra câncer com ‘uma bomba de Hiroshima’

Por Da Redação 30 mar 2012, 10h20

São Paulo, 30 mar (EFE).- O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparou o tratamento que recebeu contra o câncer de laringe com ‘uma bomba de Hiroshima’, em entrevista publicada nesta sexta-feira pelo jornal ‘Folha de S. Paulo’.

‘Acho que é a doença mais delicada. É avassaladora. Vim com um tumor de três centímetros e de repente recebi uma bomba de Hiroshima dentro de mim’, disse o ex-presidente em alusão às sessões de quimioterapia e radioterapia, que segundo os médicos, eliminaram o tumor.

Após ser diagnosticado com câncer no dia 29 de outubro, Lula foi submetido a quimioterapia até dezembro e depois passou por 33 sessões de radioterapia, que foram concluídas no final de fevereiro.

Os oncologistas que o atendem anunciaram nesta quarta-feira que constataram a ausência do tumor em uma ressonância magnética e uma laringoscopia.

Na entrevista, Lula disse que ainda tem a garganta muito dolorida, o que o impede de comer com normalidade, principalmente alimentos duros.

O ex-presidente disse que ‘se tivesse perdido a voz, estaria morto’ e se definiu como ‘um medroso’, que tem muito medo da morte, apesar de ser religioso.

Lula reiterou sua intenção de voltar à política para colaborar com alguns candidatos do PT nas eleições municipais de outubro e apoiar a presidente Dilma Rousseff em seu trabalho de Governo e em sua provável tentativa de reeleição em 2014.

No entanto, Lula disse que já não tem vontade de cumprir uma agenda política ‘tão alucinante e louca’ como a que seguiu em seus primeiros dez meses após deixar a Presidência, que lhe levou a realizar mais de 30 viagens internacionais para dar discursos e receber prêmios.

‘Vou fazer menos coisas, com mais qualidade, participar das eleições de forma mais seletiva, ajudar a minha companheira Dilma de forma mais seletiva, no que ela entender que posso ajudar. Vou voltar mais tranquilo. O mundo não acaba na semana que vem’, acrescentou. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade