Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Liga Árabe cancela cooperação com Guatemala por embaixada em Jerusalém

País inaugurou sua representação diplomática na Cidade Santa na semana passada, seguindo ação dos Estados Unidos

Por Da Redação - Atualizado em 23 maio 2018, 19h44 - Publicado em 23 maio 2018, 17h02

A Liga Árabe cancelou um memorando de cooperação que assinou em 2013 com a Guatemala depois que este país transferiu sua embaixada em Israel para Jerusalém, informou nesta quarta-feira um porta-voz do secretário-geral do organismo, Ahmed Aboul Gheit.

O porta-voz Mahmoud Afifi detalhou em comunicado que a Secretaria-Geral tomou essa medida por instrução de Gheit e informou à Guatemala que interromperá a cooperação entre ambas as partes.

O porta-voz esclareceu que a Guatemala foi informada que essas medidas “aconteceram devido à transferência da embaixada, o que constituiu uma infração flagrante e um incidente grave que viola o consenso internacional sobre o status legal e histórico da cidade ocupada de Jerusalém”.

Além disso, a inauguração da embaixada da Guatemala na Cidade Santa, no dia 16 de maio, representou para a Liga Árabe “uma violação vergonhosa da lei internacional e das resoluções da ONU, o que ameaça a paz e a segurança internacional”, acrescentou a nota.

Publicidade

Afifi convidou de novo os países de todo o mundo para que não sigam os mesmos passos e que “se comprometam com as resoluções da legitimidade internacional relacionada à causa palestina, concretamente com aquelas vinculadas ao status de Jerusalém”.

A Guatemala foi o primeiro país a instalar sua embaixada em Jerusalém, em 1956. O país transferiu sua representação para Tel -Aviv 24 anos depois, quando o Parlamento de Israel declarou Jerusalém sua capital eterna e indivisível, contrariando as recomendações das Nações Unidas.

O status de Jerusalém é, talvez, o problema mais delicado do conflito palestino-israelense. Israel considera a cidade inteira sua capital, enquanto os palestinos consideram Jerusalém Oriental como a capital de seu futuro Estado.

(Com EFE)

Publicidade