Clique e assine a partir de 9,90/mês

Liga Árabe apoiará oposição síria; situação em Homs é crítica

Por Da Redação - 12 fev 2012, 18h00

A Liga Árabe dará apoio político e material à oposição síria e pedirá ao Conselho de Segurança a formação de uma força conjunta entre árabes e ONU para colocar fim à violência na Síria, onde ativistas antirregime denunciam uma crise humanitária em Homs.

A Liga “abrirá canais de comunicação com a oposição síria e oferecerá todas as formas de apoio político e financeiro” possíveis, informou a declaração final de uma reunião de ministros de Relações Exteriores realizada neste domingo no Cairo.

Ao mesmo tempo “coloca fim à missão dos observadores da Liga Árabe” na Síria, cujo polêmico líder, o general sudanês Mohammed Ahmed Mustafah al Dabi, anunciou sua demissão horas antes.

Também pedirá “ao Conselho de Segurança a adoção de uma resolução para formar uma força conjunta de manutenção da paz com árabes e ONU para supervisionar a aplicação do cessar fogo”, completa o texto, que pede que os membros da Liga Árabe rompam relações diplomáticas com a Síria.

Continua após a publicidade

Damasco, como era de se prever, rejeitou “categoricamente” estas decisões, após ter acusado os países árabes, inclusive antes do início da reunião, de estar em conluio com as potências ocidentais: “provavelmente não haverá surpresas, já que as ordens já foram dadas”, escreveu o jornal governamental As Saura.

Ao menos 24 pessoas, na maioria civis, morreram neste domingo, especialmente na cidade de Homs (centro), informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Submetida a um bombardeio incessante há cerca de 10 dias, a “capital da revolução”, onde mais de 500 pessoas morreram desde 4 de fevereiro, segundo os ativistas, sofre uma crise humanitária.

Os Comitês Locais de Coordenação (LCC), que supervisionam a revolta popular em terra, afirmam que “todas as padarias da cidade fecharam suas portas”, com exceção de uma, a de Al Malaab.

Continua após a publicidade

Um vídeo divulgado na internet pelos ativistas mostra uma multidão reunida em frente a uma loja.

“Em Homs, os voluntários da Cruz Vermelha Síria (CRS) dividem comida, cobertores e ajuda médica a milhares de pessoas afetadas pelo aumento da violência”, afirma um comunicado conjunto da CRS e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR).

Sinal de que a ofensiva continua, “um comboio de mais de 30 tanques e veículos blindados de transporte de tropas foi visto perto da cidade de Nabk, na província de Damasco, dirigindo-se a Homs”, afirmou anteriormente o OSDH.

Após o veto russo e chinês a uma resolução da ONU de condenação à repressão, a Tunísia propôs celebrar em 24 de fevereiro “uma conferência dos amigos da Síria”, uma proposta lançada por França e Estados Unidos.

Continua após a publicidade

No plano político, a comissão síria encarregada de elaborar a nova Constituição apresentou ao presidente Bashar al Asad um projeto que será submetido a referendo em março, segundo a agência oficial Sana.

Publicidade