Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Kiev denuncia ‘número recorde’ de ataques rebeldes no leste da Ucrânia

Os conflitos na região deixaram quase 7.000 mortos desde abril de 2014

Por Da Redação 13 ago 2015, 21h21

A Ucrânia acusou nesta quinta-feira os separatistas pró-Rússia de prepararem uma ofensiva e matarem dois soldados após um número recorde de ataques contra as posições do exército ucraniano desde o início da trégua, em fevereiro.

“Houve 153 ataques contra nossas posições, como no momento mais intenso dos combates”, afirmou em um comunicado o chefe do Conselho de Segurança Nacional e de Defesa, Olexandre Turchinov, que também anunciou que dois soldados morreram e dez teriam ficado feridos nas últimas 24 horas. “A reorganização de tropas e de equipes perto de nossa linha de defesa prova que o inimigo prepara um ataque”, declarou Turchinov, que se encontra na zona em conflito.

Leia também:

Aviões de combate da Otan interceptam aeronaves da Rússia

Rússia veta resolução da ONU para investigar avião derrubado na Ucrânia

Continua após a publicidade

O porta-voz militar ucraniano Vladislav Seleznev, interrogado pela agência de notícias AFP, informou sobre os combates na madrugada de quinta-feira, perto do povoado de Semiguiria, a 50 quilômetros de Donetsk.

“Os observadores da OSCE presentes sobre o terreno constataram nos últimos dias que os dois bandos usaram armas pesadas de calibre 122mm e 152 mm”, proibidas por acordos de paz assinados em Minsk em fevereiro, declarou em coletiva de imprensa Alexander Hug, chefe adjunto da missão de observação na Ucrânia da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE).

“Os observadores constatam um aumento da violência com perdas de vidas civis”, acrescentou.

A situação piorou consideravelmente desde o início da semana no setor de Mariupol, a última grande cidade no leste separatista da Ucrânia, que continua sob controle governamental, onde continuam os combates com artilharia pesada pelo quarto dia consecutivo.

O conflito na Ucrânia provocou a morte de mais de 6.800 pessoas desde abril de 2014.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade