Clique e assine a partir de 9,90/mês

Karzai pede que tropas da Otan abandonem aldeias afegãs

Segundo ele, país deverá ser capaz de garantir sua própria segurança em 2013

Por Da Redação - 15 mar 2012, 11h05

O presidente afegão, Hamid Karzai, pediu nesta quinta-feira ao secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, que as tropas da Otan “abandonem as aldeias” do Afeganistão e “permaneçam em suas bases” após o massacre de civis ocorrido no domingo passado. Segundo comunicado oficial, Karzai disse a Panetta em encontro na capital Cabul que as forças afegãs têm capacidade de garantir sozinhas a segurança no país e pediu que a Otan agilize o processo de transição.

Leia também:

Leia também: EUA repatriam autor de massacre; afegãos protestam

O presidente afegão afirmou que “ambas as partes” precisam trabalhar para que a transferência de poder, que começou em julho do ano passado, complete-se em 2013, e não 2014, como estava previsto anteriormente. “O Afeganistão está atualmente preparado para assumir toda a responsabilidade da segurança no país”, ressaltou Karzai. O líder afegão também aproveitou para pedir a Panetta que os EUA realizem uma “investigação transparente” sobre o assassinato de 16 civis na região de Kandahar por um soldado americano.

Panetta chegou ao Afeganistão na quarta-feira e sua visita coincidiu com o anúncio feito nesta quinta pelos talibãs de que suspenderiam o diálogo que mantinham desde o início do ano com os EUA por meio de um escritório no Catar. “O emirado islâmico decidiu suspender as conversas com os norte-americanos até que esclareçam sua posição e mostrem a disposição de cumprir suas promessas”, disseram os talibãs em comunicado postado em seu site.

Fracasso – Os insurgentes alegaram que a responsabilidade pelo fracasso do diálogo deve ser “totalmente atribuída à postura cambaleante, errática e imprecisa dos EUA”. Os talibãs argumentaram que Washington não implementou iniciativas que haviam sido contempladas como “passos práticos” para facilitar as negociações entre as partes, como uma “troca de prisioneiros”. Também criticaram que os americanos tenham iniciado uma “campanha de propaganda infundada” contra o grupo, e fizeram um apelo à comunidade internacional para que apoie seu movimento para expulsar as forças invasoras do Afeganistão.

A guerra se encontra em um dos momentos mais sangrentos uma década depois da invasão dos EUA e da queda do regime talibã. Em julho passado, as tropas da Otan começaram a se retirar gradualmente do Afeganistão e a transferir a responsabilidade da segurança às forças afegãs, em um processo deve terminar em 2014 caso os prazos previstos forem cumpridos.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade