Clique e assine a partir de 9,90/mês

Justiça egípcia suspende decisão de Mursi de restabelecer o Parlamento

Por - - 10 jul 2012, 15h37

A Alta Corte Constitucional egípcia decidiu nesta terça-feira suspender a aplicação do decreto do presidente egípcio, o islamita Mohamed Mursi, que havia ordenado o restabelecimento do Parlamento, invalidado em meados de junho por este mesmo tribunal.

“A corte ordenou a suspensão do decreto presidencial” indicou uma fonte judicial.

No domingo, oito dias após a sua posse, Mursi, membro da Irmandade Muçulmana, anulou por decreto a decisão das Forças Armadas que havia invalidado em 14 de junho o Parlamento, dominado pelos islamitas, em razão de um vício na lei eleitoral.

Mas, segundo a mesma fonte, “a corte ordenou que sua decisão anterior (invalidando as eleições e declarando o Parlamento ilegal, nr) seja aplicada”.

Continua após a publicidade

O presidente da câmara baixa, o irmão muçulmano Saad al-Katatni, indicou nesta terça-feira que o Parlamento havia enviado o caso de sua invalidação à Corte de Cassação.

O Conselho Supremo das Forças Armadas (CSFA), por sua vez, recebeu queixas contra o decreto presidencial.

A Assembleia do Povo Egípcio se reuniu nesta terça-feira de manhã após um decreto do presidente Mursi ordenando o seu restabelecimento, em um claro desafio ao Exército e à Justiça.

Publicidade