Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça boliviana determina que Evo Morales faça teste de paternidade

"Se houver uma ordem judicial, o senhor Morales acatará", disse o advogado do presidente

A Justiça boliviana determinou que o presidente Evo Morales deve fazer um exame de paternidade para revelar se é de fato o pai do filho de sua ex-companheira Gabriela Zapata. A mulher é investigada por tráfico de influência e enriquecimento ilícito.

“Se houver uma ordem judicial, o senhor Morales acatará”, disse o advogado do presidente, Ricardo Velásquez. O advogado de Zapata, Eduardo León, solicitou a presença de “peritos independentes” na avaliação da evidência científica para evitar, segundo ele, irregularidades no processo que tem “risco de ser politizado”.

O caso veio a público em fevereiro, quando um jornalista divulgou uma certidão de nascimento que comprovaria a existência de um filho até então desconhecido de Morales. Pouco depois da revelação, o governo boliviano admitiu o relacionamento entre Evo e Gabriela Zapata e afirmou que o fruto desse relacionamento – um bebê nascido em 2007 – morreu com 1 ano de idade. A família de Gabriela negou a morte da criança. Uma tia da moça disse, inclusive, que o menino seria apresentado à imprensa em “um momento oportuno”. Posteriormente, Morales também negou a existência do filho e afirmou que a certidão de nascimento era falsa.

Leia mais:

Governo boliviano volta atrás e afirma que filho de Morales com ex-namorada nunca existiu

Com 99,7% das urnas apuradas, Bolívia rejeita quarto mandato de Evo Morales

Novelão boliviano: família de ex-namorada diz que filho de Evo Morales está vivo

Uma investigação feita a pedido do ministro da Educação não encontrou nenhum aluno matriculado nas escolas bolivianas com o nome da criança, que não foi divulgado. O ministro do Governo, por sua vez, informou que nenhum menor com o nome revelado pela mãe às autoridades havia saído do país. Por fim, Gabriela apresentou o menino que seria filho de Morales diante de uma juíza, que pediu o exame de DNA para esclarecer a questão.

Tráfico de influência – A investigação sobre a paternidade do menor ocorre paralelamente à de tráfico de influência. Sem ter nenhum título profissional, Gabriela foi designada em 2011 gerente comercial de uma subsidiária da multinacional chinesa CAMC Engineering, que obteve projetos do governo no valor de mais de 500 milhões de dólares, entre eles a construção de uma usina de açúcar e de uma fábrica de sais de potássio.

Investigações da promotoria indicaram que Gabriela utilizava os escritórios do Ministério da Presidência para seus negócios. Ela, outra funcionária da empresa e um motorista foram detidos preventivamente durante a investigação.

(Da redação)