Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Jornalista que revelou espionagem dos EUA deixa ‘The Guardian’

Glenn Greenwald afirmou ter recebido outra proposta de trabalho, mas não deu detalhes sobre o futuro emprego

Por Da Redação
16 out 2013, 09h32

Glenn Greenwald, o jornalista que divulgou o alcance da espionagem dos Estados Unidos a partir das informações de Edward Snowden, anunciou nesta quarta-feira que vai deixar o jornal The Guardian, que publicou suas histórias.

Em comunicado oficial, Greenwald, que foi contratado pela publicação em 2012, informou que sua parceria com o The Guardian foi “extremamente frutífera”, mas que recebeu uma proposta de trabalho única e irrecusável. Ele não deu detalhes sobre a proposta.

O jornalista americano, que vive no Brasil, teve acesso às informações sobre a espionagem dos Estados Unidos através de Snowden, antigo colaborador da Agência Nacional de Segurança (NSA) americana, que está refugiado na Rússia.

Em sua nota sobre a saída do jornal, Greenwald destacou que respeita os diretores e jornalistas com quem trabalhou e acrescentou: “Estou incrivelmente orgulhoso do que conseguimos. A decisão de sair não foi fácil, mas recebi uma oportunidade única na carreira, que nenhum jornalista poderia rejeitar”, acrescentou.

Continua após a publicidade

Após saber da notícia, um porta-voz do The Guardian ressaltou a importância do jornalismo de investigação e que “foi fantástico trabalhar com Greenwald”.

Leia também:

Editor diz que governo forçou ‘Guardian’ a apagar dados

Continua após a publicidade

Brasileiro detido em Londres leva caso à Justiça britânica

Histórico – Greenwald formou-se em Direito, em 1994, em Nova York, e criou seu próprio escritório para defender casos relacionados com o direito constitucional e os direitos civis. Uma década depois, decidiu deixar de advogar e criou um blog pessoal, Unclaimed Territory (território sem dono, em tradução livre), no qual postava suas opiniões políticas e, logo em seguida, começou a escrever no site Salon.com e a publicar diversos livros. Depois colaborou com veículos como The New York Times, Los Angeles Times e The Guardian.

No último mês de agosto, o companheiro de Greenwald, o brasileiro David Miranda, foi retido pela polícia britânica no aeroporto de Heathrow, em Londres, quando fazia uma conexão entre Berlim e Rio de Janeiro. Segundo David, os agentes apreenderam vários de seus aparelhos eletrônicos, como computador, celular e dispositivos de memória. David Miranda voltava de Berlim, onde tinha visitado a documentarista Laura Poitras, que trabalhava com Greenwald e outros jornalistas na análise dos documentos entregues por Snowden.

Continua após a publicidade

(Com agência EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.