Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Jornal pró-democracia de Hong Kong anuncia seu fim após pressão chinesa

Funcionários da publicação foram presos acusados de risco à segurança nacional e bens do jornal foram congelados por Pequim

Por Julia Braun Atualizado em 23 jun 2021, 09h10 - Publicado em 23 jun 2021, 08h57

O jornal pró-democracia de Hong Kong Apple Daily anunciou que sua última edição será publicada nesta quinta-feira, 24, em meio à pressão do governo chinês. O tabloide foi alvo de uma operação policial na semana passada, quando diversos funcionários foram presos e os bens da publicação foram congelados.

O editor-chefe e o executivo-chefe do tabloide foram acusados formalmente de conluio com país estrangeiro, segundo a nova lei de segurança nacional. De acordo com as autoridades, o jornal teria publicado mais de 30 artigos pedindo sanções internacionais contra Hong Kong e a China. Nesta quarta-feira, 23, mais um colunista do jornal foi preso sob as mesmas acusações.

Em agosto passado, o dono do Apple Daily foi acusado de conspiração após uma operação. O bilionário Jimmy Lai, de 73 anos, cumpre atualmente várias sentenças de prisão por participar das manifestações pró-democracia que abalaram Hong Kong em 2018.

Diante da repressão, o jornal anunciou seu fim. Em comunicado divulgado em seu site, a publisher Next Digital disse que a decisão foi tomada “devido às atuais circunstâncias em Hong Kong”.

O Apple Daily emprega cerca de 600 jornalistas e mistura discurso pró-democracia com fofocas sobre celebridades e jornalismo investigativo. O jornal nunca parou de criticar abertamente as autoridades chinesas, apesar das tentativas de Pequim de calar os jornalistas.

Continua após a publicidade
Publicidade