Clique e assine com até 92% de desconto

Joe Biden e militares participam na cerimônia do 11/9 no Pentágono

Por Win Mcnamee 11 set 2011, 17h04

Líderes políticos e militares prestaram neste domingo sua solene homenagem às vítimas do ataque contra o Pentágono em 11 de setembro de 2001.

“Vidas tiveram fim neste lugar. Sonhos foram arrasados. Futuros foram instantaneamente alterados. Esperanças foram tragicamente arruinadas”, declarou o almirante Mike Mullen, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas americanas, durante a cerimônia.

Mullen, ao lado do vice-presidente Joe Biden e do secretário da Defesa, Leon Panetta, disse ainda que o ataque ao Pentágono inspirou uma geração a se juntar às forças armadas do país para combater contra os agressores da rede Al-Qaeda.

A cerimônia, que contou com um coro da marinha entoando o hino “Amazing Grace”, começou no exato momento em que o voo 77 da American Airlines, um Boeing 757, se chocou contra a ala oeste do Pentágono, que desabou causando a morte de 54 pessoas a bordo da aeronave e 125 pessoas que trabalhavam no prédio atingido. No choque, também morreram os cinco sequestradores do avião.

O presidente Barack Obama também visitou o Memorial do Pentágono para prestar seu respeito.

A cerimônia aconteceu no dia seguinte em que 50 soldados americanos ficaram feridos num ataque contra um posto da Otan no Afeganistão, o que levou Joe Biden a declarar que “isso nos lembra que essa guerra continua”.

Biden destacou ainda a “geração 11/0”, que se alistou para servir a seu país na luta contra a Al-Qaeda e seu líder, Osama bin Laden.

Continua após a publicidade
Publicidade