Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jeb Bush: Construir muro na fronteira dos EUA com o México “não é realista”

O muro 'custaria bilhões de dólares e violaria os direitos civis', disse o pré-candidato. Entre os republicanos, Bush é o que tem as propostas mais moderadas para os imigrantes

O pré-candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos Jeb Bush disse na noite desta segunda-feira que a proposta de seu concorrente e correligionário Donald Trump de construir um muro ao longo da fronteira com o México “não é realista”, e garantiu que, caso seja eleito, o projeto “não será implementado”. Em visita à cidade de McAllen, no Texas, uma das portas de entrada aos Estados Unidos para milhares de imigrantes ilegais, Bush se reuniu com autoridades locais, expôs suas propostas imigratórias e participou de um evento para arrecadar fundos.

A imprensa americana comparou a viagem do ex-governador da Flórida com a que Trump fez em julho à também fronteiriça cidade de Laredo (Texas), na qual o magnata insistiu em seu propósito de construir o muro e disse que a imigração ilegal era um “enorme problema”. Para o jornal The Washington Post, Bush fez “uma viagem anti-Trump”, acenando para o diálogo com a comunidade latina da região. Em breves declarações em inglês e espanhol, Bush argumentou que o plano de Trump para conter a imigração ilegal não corresponde com os “valores” dos Estados Unidos.

Leia também

EUA: Biden cogita concorrer à Casa Branca – e pode sacudir corrida presidencial

Donald Trump encurta distância para Hillary Clinton, mostra pesquisa

Casa Branca contrata primeira servidora transgênero

“Esta proposta não tem uma base realista. Custaria bilhões de dólares, violaria os direitos civis das pessoas e não vai ser implementada. O que precisamos é de uma segurança na fronteira que volte a funcionar”, ressaltou Bush, que segue em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto entre os pré-candidatos do Partido Republicano. Trump lidera as sondagens. O ex-governador da Flórida é, entre os pré-candidatos republicanos, o que tem um programa mais moderado quanto à imigração e defende a concessão da cidadania do país a 11 milhões de imigrantes ilegais.

(Da redação)