Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Japão resgata balonista chinês que caiu perto de ilhas em disputa

Xu Shuaijun perdeu o controle do balão após uma turbulência. O incidente foi um raro episódio de cooperação entre os países nos últimos meses

Os discursos de enfrentamento entre políticos de Japão e China e as ousadas operações militares nos arredores das ilhas de Senkaku foram momentaneamente esquecidos pelos dois países após um balonista chinês sofrer um acidente na região, nesta quinta-feira. Após enfrentar uma forte turbulência, Xu Shuaijun, um cozinheiro de 35 anos, perdeu o controle de seu balão e caiu nas águas da área em disputa. Ele foi rapidamente resgatado pelas forças japonesas que patrulham a região e entregue a uma embarcação chinesa, que agradeceu os esforços através de uma mensagem de rádio, informou o jornal Japan Times.

Vídeo: Chinês tenta chegar às ilhas disputadas de balão

Xu partiu da província de Hebei, ao nordeste da China, e voou por mais de sete horas antes de seu balão sofrer uma pane mecânica. O balonista caiu a 22 quilômetros das ilhas de Senkaku e enviou uma mensagem de socorro às autoridades taiwanesas, que repassaram o alerta ao Japão. Um helicóptero foi prontamente designado para o local do acidente e transportou o homem até um dos barcos patrulheiros movido pelo governo chinês à região. “Eu retornei em segurança, obrigado a todos pela preocupação”, postou Xu em sua página pessoal no Weibo, uma rede social semelhante ao Twitter e popular na China. (Continue lendo o texto)

Limites das zonas de defesa aérea de China e Japão Limites das zonas de defesa aérea de China e Japão

Limites das zonas de defesa aérea de China e Japão (/)

O incidente marcou um raro episódio de cooperação entre os dois países nos últimos meses. As tensões diplomáticas voltaram a aumentar após o governo chinês anunciar unilateralmente a criação de uma zona aérea de segurança que inclui as ilhas de Senkaku. O Japão, que reclama a soberania do pequeno arquipélago, desafiou a determinação chinesa e enviou aeronaves militares ao local. A medida foi repetida pelos Exércitos de Estados Unidos e Coreia do Sul, aliados do Japão que também não reconheceram a legitimidade da zona de defesa.

Leia também:

China proíbe membros do governo de fumar em público

Crise na Ásia: Coreia do Sul cancela reuniões com o Japão

A China, por sua vez, intensificou a presença de navios patrulheiros na região e se disse pronta para responder a qualquer atividade militar. O país também endureceu o tom após o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e um ministro visitarem um controverso memorial em homenagem aos mortos na II Guerra Mundial, incluindo militares japoneses condenados por crimes de guerra. O país acusou o Japão de “tentar reescrever a história” do conflito e classificou Abe de persona non grata. As relações diplomáticas em alto nível também foram congeladas, segundo o jornal The Guardian.

Arquipélago inabitado – As Ilhas Senkaku – chamadas de Diaoyu pelos chineses – estão situadas no Mar da China Oriental, a 200 quilômetros a nordeste da costa de Taiwan – que também reivindica o arquipélago – e 400 quilômetros a oeste de Okinawa, no sul do Japão. As relações entre Japão e China passam por uma crise devido à disputa pelas ilhas. Em setembro de 2012, o Japão comprou o arquipélago de proprietário japonês, o que provocou a ira de Pequim e motivou violentos protestos em várias cidades da China.

O desabitado arquipélago Senkaku/Diaoyu é composto por cinco ilhotas e três rochas. A área é importante rota e habitat de cardumes e por isso é frequentada por navios pesqueiros do Japão. Acredita-se, além disso, que a região na qual se encontram as ilhas possa abrigar grandes reservas de gás. (Leia mais no quadro abaixo)