Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Japão registra mais de mil casos de intoxicação alimentar

Pessoas foram afetadas por ingerirem alimentos contaminados com pesticida

Por Da Redação 8 jan 2014, 08h27

Mais de 1.000 pessoas em todo o Japão afirmaram ter ficado doentes por consumir alimentos congelados contaminados com pesticidas, anunciou nesta quarta-feira a agência de notícias japonesa Jiji. Até segunda-feira foram registrados 360 casos, mas desde que a imprensa divulgou a notícia foram feitas novas denúncias e o número de vítimas cresceu rapidamente. Autoridades acreditam que o número de casos ainda pode aumentar.

No fim de dezembro, a filial Aqlifoods do grupo japonês Maruha Nichiro Holdings, apontou a presença – ainda inexplicada – de um pesticida chamado malathion em diversos produtos congelados confeccionados em uma fábrica da cidade de Gunma, a noroeste de Tóquio. Vários clientes detectaram um odor estranho em alimentos, sobretudo em croquetes e pizzas, e avisaram a empresa. Os alimentos foram retirados da venda, mas pessoas que os ingeriram foram afetadas.

Leia também

Fukushima busca sugestões para tratar água radioativa

Um bebê de nove meses precisou ser hospitalizado de urgência depois de ter comido os croquetes contaminados. No total, mais de 1.000 pessoas de muitas cidades do Japão apresentaram sinais de diarreia, vômito e outros transtornos. Somente a cidade de Hokkaido, no norte do Japão, registrou mais de 200 casos.

A empresa decidiu retirar do mercado 6,4 milhões de artigos, mas até o momento só conseguiu recuperar 1,4 milhão, menos de um quarto do número total. A revelação da contaminação revoltou os consumidores e a empresa já recebeu mais de 630.000 chamadas de insatisfeitos. A polícia abriu uma investigação para determinar a origem da contaminação.

A quantidade de pesticida medida nos produtos afetados é tão alta que levantou a suspeita de uma introdução deliberada de malathion, um inseticida utilizado na agricultura e de fácil acesso para a população comum. No Japão, esse inseticida pode ser comprado livremente, por exemplo, em lojas de jardinagem, muito comuns no país.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês