Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Itália aprova medidas mais rígidas para deter chegada de imigrantes

Decisão permite que aqueles que aguardam repatriação sejam detidos por período inicial de seis meses, prorrogável até 18 anos

Por Da Redação
18 set 2023, 14h31

O governo da Itália aprovou nesta segunda-feira, 18, novas medidas que visam reduzir a entrada de imigrantes no país, após quase 10 mil pessoas terem chegado ilegalmente à ilha de Lampedusa na última semana. A decisão procura fortalecer as promessas anti-imigratórias da campanha da primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, eleita no ano passado.

Em abril, a Itália declarou estado de emergência imigratória por seis meses, após uma reunião do Conselho de Ministros. A decisão permite que a premiê aprove medidas sem a participação do Parlamento italiano. Silvio Berlusconi, ex-premiê, já havia utilizado o recurso para lidar com a crise dos refugiados de 2011, em uma tentativa de diminuir os inchaços no país ao redistribuir os imigrantes pelas cidades.

O novo pacote foi anunciado por Meloni no início de uma reunião de gabinete e garante que imigrantes que aguardam repatriação deverão ser detidos por um período inicial de seis meses, prorrogável até 18 anos. Até o momento, o tempo de retenção era estipulado em três meses.

+ Itália decreta estado de emergência imigratória por seis meses

Continua após a publicidade

“Será todo o tempo necessário não só para fazer as avaliações necessárias, mas também para proceder ao repatriamento daqueles que não se qualificam para proteção internacional”, afirmou Meloni.

A mudança foi acompanhada, ainda, pelo anúncio da construção de outros centros de detenção, em áreas remotas, para pessoas não documentadas. A premiê defende que o governo deve aumentar a capacidade da instalações frente ao enfraquecimento de “anos de políticas imigratórias”.

A legislação italiana prevê a prisão de imigrantes que aguardam o repatriamento caso não sejam imediatamente expulsos. Autoridades italianas argumentam que grande parte deles se deslocou ao país por motivos econômicos, não sendo elegível para asilo.

Continua após a publicidade

+ Entre a beleza e o horror: a tragédia dos naufrágios na costa da Itália

Quase 130 mil imigrantes chegaram a Itália apenas neste ano, quase o dobro do número do mesmo período de 2022, segundo dados do governo. Eles são de países como Guiné, Costa do Marfim, Tunísia, Egito, Burkina Faso, Bangladesh e Paquistão. As políticas propostas por Meloni têm fracassado, com registros de imigrantes ilegais fugindo de centros para países mais ricos da Europa.

As recém-aprovadas medidas não foram bem recebidas por grupos pró-Direitos Humanos. A Coligação Italiana para os Direitos Civis e Liberdades (CILD) descreveu os centros de detenção como “buracos negros”, em que violações de direitos fundamentais seriam recorrentes. A entidade afirma, além disso, que as instituições são caras e ineficientes para conter a crise instaurada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.