Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Israel mantém nomeação de ex-dirigente colono como embaixador no Brasil

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h11 - Publicado em 17 mar 2016, 15h49

Israel referendou a nomeação como embaixador no Brasil do ex-dirigente colono Dani Dayan, despertando receio no Itamaraty nesta quinta-feira. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores israelense, Emanuel Najshon, informou durante a manhã em mensagem de texto aos veículos de imprensa que a vaga seria disputada em concurso público. Depois, ele mesmo se retratou e confirmou que Dayan seguia sendo o embaixador designado para o cargo e que o anúncio anterior ocorreu devido a “um lamentável erro burocrático administrativo” – que não foi explicado.

Em agosto de 2015, Israel designou Dayan, antigo dirigente do Conselho de Assentamentos judaicos em Samaria e Judéia (designação bíblica para o território ocupado da Cisjordânia), como novo embaixador em Brasília. O governo israelense referendou a nomeação em setembro, embora desde então o Executivo do Brasil não tenha respondido positivamente e em mensagens despachadas por vias diplomáticas deixou clara sua preferência por outro candidato que não representasse a colonização judaica.

Leia também

Vice-chanceler de Israel diz que não enviará outro embaixador ao Brasil

Brasil ignora pedidos de Israel e barra novo embaixador

A vice-ministra das Relações Exteriores israelense, Tzipi Hotovely, pediu no começo do ano ao Itamaraty que aceitasse Dayan para evitar uma crise diplomática, pedido que não foi atendido até o momento. O Brasil está descontente com a indicação de Dayan por dois motivos: não gostou da forma de como sua indicação foi conduzida; e por ele ser favorável aos assentamentos judaicos na Cisjordânia – território que, de acordo com a legislação internacional, pertence aos palestinos. O governo brasileiro é historicamente favorável à existência de dois Estados, Israel e Palestina. Dayan foi presidente do Yesha Council, a representação das comunidades judaicas instaladas na Cisjordânia.

Brasília também estaria fazendo uma retaliação silenciosa porque o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu nomeou publicamente o novo embaixador antes mesmo de comunicar o Ministério das Relações Exteriores brasileiro, passando por cima de protocolos de boas relações diplomáticas.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês