Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Iraque: ‘Só ataque aéreo pode parar a destruição de antiguidades’

Ministro de Turismo e Antiguidades, Adel Shirshab, pede que coalizão militar liderada pelos EUA impeça ação do Estado Islâmico contra patrimônio da humanidade

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 10h08 - Publicado em 8 mar 2015, 14h55

O Iraque pediu neste domingo que a coalizão militar liderada pelos Estados Unidos use a Força Aérea para proteger antiguidades do país, ameaçadas de roubos e de destruição por parte de combatentes do Estado Islâmico (EI). O Iraque guarda alguns dos maiores tesouros arqueológicos do mundo.

Um ministro do governo iraquiano disse que a intervenção da coalizão militar ainda não era o suficiente para salvar a inestimável herança do Iraque. Desde agosto, os militares já realizaram 2.800 ataques aéreos contra guerrilheiros do Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

Leia mais:

Estado Islâmico arrasa patrimônio histórico de Hatra

Continua após a publicidade

Terroristas do Boko Haram juram lealdade ao Estado Islâmico

O ministro iraquiano de Turismo e Antiguidades, Adel Shirshab, disse que somente a coalizão liderada pelos Estados Unidos pode pôr fim à destruição. “O nosso espaço aéreo não está em nossas mãos. Está em suas mãos”, disse. “Eu estou pedindo à comunidade internacional e à coalizão para ativar seus ataques aéreos e mirar o terrorismo onde quer que exista.”

Segundo Shirshab, o órgão do governo iraquiano para Antiguidades e Herança ainda está tentando avaliar a extensão dos danos.

Continua após a publicidade

Vídeo: Mundo Livre – Tesouro em perigo no Oriente Médio

Neste sábado, o Estado Islâmico atacou a cidade de Hatra, de 2.000 anos, no norte do Iraque, dias depois de terem destruído a antiga cidade assíria de Nimrud. Um vídeo gravado pelo EI mostrou os homens saqueando um museu em Mosul, quebrando estátuas e esculturas. A destruição foi alvo de condenação global. A Organização das Nações Unidas (ONU) classificou os danos à rica história do Iraque como um “crime de guerra”. Os protestos, no entanto, não sensibilizaram os autores da barbárie.

Neste domingo — Os terroristas do EI saquearam o sítio arqueológico de Dur Sharrukin, atual cidade de Jorsabad, capital da Assíria durante parte do reinado de Sargon II (722 – 705 a.C.). Uma fonte responsável pela segurança da província de Ninawa, onde fica esta cidade, acrescentou que os jihadistas utilizaram várias escavadeiras para destruir o sítio arqueológico, antes de roubar as antiguidades que estavam ali.

Continua após a publicidade

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.