Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Irã exige punição para quem prejudicar economia com protestos

Perspectiva de novas sanções dos Estados Unidos e queda recorde da moeda iraniana levou a greve de lojistas, que terminou nesta quarta-feira

O líder supremo do Irãaiatolá Ali Khamenei, exigiu a punição daqueles que interromperem os negócios no país e prejudicarem a economia do país, sinalizando uma posição mais dura do governo à  greve de dois dias dos lojistas. O movimento terminou nesta quarta-feira (27).

Como a economia enfrenta a perspectiva de novas sanções dos Estados Unidos, a liderança iraniana decidiu adotar uma frente unida contra os protestos internos. Em discurso, o presidente Hassan Rouhani, que há tempos vem buscando relações econômicas mais abertas com o mundo, culpou Washington pela penúria do Irã, conclamando seus compatriotas a “colocar a América de joelhos”.

Na segunda-feira (25), os lojistas se concentraram diante do Parlamento para se queixarem da desvalorização da  moeda iraniana, que atingiu cotação negativa recorde.

Em resposta, Khamenei, clérigo linha-dura no poder desde 1989, exigiu que o Judiciário puna aqueles “que perturbam a segurança econômica”. Seus comentários foram um recado evidente aos iranianos que planejam mais protestos.

“A atmosfera para o trabalho, a vida e o sustento das pessoas precisam ser seguros”, disse ele em uma reunião com autoridades do Judiciário, de acordo com seu site oficial. “E o Judiciário deve confrontar aqueles que perturbam a segurança econômica”.

A greve no Grande Bazar de Teerã é o maior sinal da inquietação no Irã desde que os Estados Unidos saíram do acordo nuclear de 2015. O pacto, que garantia a suspensão das sanções americanas em troca da restrição do programa nuclear iraniano, era o pilar dos planos de Rouhani para abrir a economia do país e lhe rendeu duas vitórias eleitorais folgadas.

Washington prometeu adotar sanções ainda mais rígidas do que antes, mas seus aliados europeus e outras potências mundiais dizem ainda apoiar o pacto nuclear. “Enfrentaremos problemas. Enfrentaremos pressão. Mas não sacrificaremos nossa independência”, disse Rouhani no discurso transmitido pela televisão estatal.

(Com Reuters)