Clique e assine a partir de 8,90/mês

Idealizador de ataques de 2008 a Mumbai paga fiança e deixa prisão

Zakiur Rehman Lakhvi é suspeito de ter provocado a morte de mais de 160 pessoas na Índia. Ele responderá ao julgamento em liberdade

Por Da Redação - 10 abr 2015, 16h26

A Justiça do Paquistão libertou nesta sexta-feira o terrorista Zakiur Rehman Lakhvi, acusado de ter planejado os atentados que resultaram na morte de 166 pessoas em Mumbai, na Índia, em 2008. Segundo a rede BBC, Lakhvi havia recebido em dezembro o direito de pagar fiança pelos ataques, mas era mantido sob custódia devido a uma legislação de ordem pública. A detenção, no entanto, foi revogada por uma corte superior e garantiu a soltura do extremista.

Leia também:

Autor de atentados de 2008 em Mumbai é enforcado

Lakhvi e outras seis pessoas são réus no processo referente aos ataques. As autoridades acreditam que ele chefiava a organização extremista Lashkar-e-Taiba (LeT), responsável por operar os atentados. Entre 26 a 29 de novembro de 2008, dez homens armados atacaram hotéis de luxo, um restaurante turístico, a principal estação ferroviária e um centro judaico de Mumbai. Além do número aterrador de mortos, cerca de 300 pessoas ficaram feridas.

Funcionários da penitenciária onde Lakhvi se encontrava disseram que ele e os outros suspeitos dos atentados tinham direito a uma série de regalias. Os terroristas tinham o direito de circular livremente por diversas celas e podiam usar telefones celulares, assistir à televisão, acessar a internet e receber dezenas de visitas por dia. À agência de notícias France-Presse, Jamaat-ud-Dawa, um porta-voz de uma organização ligada aos radicais do LeT, disse que Lakhvi já se encontra em um “lugar seguro”. Ele se negou a fornecer a exata localização do terrorista por “motivos de segurança”.

Em condição de anonimato, um porta-voz do ministério do Interior da Índia afirmou que a decisão judicial do Paquistão é “um insulto às vítimas dos ataques de Mumbai”. “A comunidade internacional deveria tomar sérias notas em relação à hipocrisia paquistanesa ao tratar o terrorismo”, afirmou.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade