Clique e assine com até 92% de desconto

Hague e Kerry: não há lugar para Assad na futura Síria

Ministro britânico e secretário de Estado dos EUA pediram mais união da oposição síria moderada e projetam um governo provisório no país

Por Da Redação 22 out 2013, 14h04

Os titulares das Relações Exteriores da Grã-Bretanha e dos EUA, William Hague e John Kerry, afirmaram nesta terça-feira que não há lugar para o ditador Bashar al Assad no futuro político da Síria. Hague e Kerry participaram da reunião do grupo Amigos da Síria, em Londres. Eles se encontraram com chefes da diplomacia de outros nove países para pedir que a oposição moderada se envolva nas negociações previstas para o mês que vem em Genebra

“Deixamos claro que Assad não terá nenhum papel em uma Síria pacífica e democrática”, disse o anfitrião Hague em entrevista coletiva realizada no palacete de Lancaster House. Segundo o chefe da diplomacia britânica, “a única maneira sustentável de pôr fim a este conflito e ao sofrimento dos civis sírios é uma transição política”. Os chanceleres pediram mais união da oposição síria depois que o Conselho Nacional Sírio, uma das facções que integram a Coalizão Nacional (grupo de opositores mais moderados), dizer que não confia nas negociações com o regime de Damasco. O grupo Amigos da Síria concordou em fazer uso de seu peso coletivo para tentar estabelecer futuramente um governo transitório na Síria, de “mútuo consentimento, com poderes executivos completos”, explicou Hague.

Leia também

Grã-Bretanha pede que oposição moderada síria participe de negociação de paz

Na mesma coletiva, John Kerry alertou também que o conflito sírio só chegará ao fim com “uma solução negociada” e não em um “campo de batalha”. Sobre a próxima conferência de Genebra, que ainda não tem data definida, Kerry comentou que acontecerá assim que possível e enfatizou que as negociações na Suíça são “imperativas”.

Responsáveis das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, EUA, Egito, França, Alemanha, Jordânia, Itália, Catar, Arábia Saudita, Turquia e Emirados Árabes Unidos participaram da reunião. No mês passado, em um primeiro encontro em Genebra para tentar frear a escalada da violência na Síria, EUA e Rússia chegaram a uma resolução conjunta exigindo que o regime de Assad se desfaça de suas armas químicas. O acordo gerou satisfação entre os países ocidentais, mas foi insuficiente para frear a guerra civil. Aproximadamente 100 000 pessoas já morreram em decorrência dos conflitos iniciados em 2011.

(Com agências EFE e AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade