Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Há uma semana no cargo, Macri já enfrenta um grande protesto

Milhares de pessoas, dentre eles muitos apoiadores de Cristina Kirchner, se reuniram em frente ao Congresso argentino para protestar contra medidas do novo governo

Milhares de pessoas, entre eles vários ex-ministros kirchneristas, protestaram nesta quinta-feira diante do Congresso contra uma série de medidas adotadas pelo presidente Mauricio Macri, que assumiu o poder há uma semana na Argentina. “Para fortalecer a democracia precisamos da pluralidade de vozes”, foi o slogan da passeata convocada para defender a lei contra o monopólio nos meios de comunicação aprovada em 2009 por iniciativa da então presidente Cristina Kirchner.

O protesto também abordou outros temas, como a designação por decreto de Macri de dois juízes da Suprema Corte e a forte desvalorização do peso argentino, que caiu 30% em relação ao dólar após o fim do controle cambial. Macri voltou atrás e desistiu de nomear os magistrados sem o aval do Senado, mas o recuou não impediu o protesto, que já estava em curso.

Leia também

Após fim do controle cambial, peso argentino despenca

Macri recua e desiste da nomeação de juízes sem aval do Senado

Com menos de uma semana no cargo, Macri já enfrenta sua primeira crise

O protesto contou com a presença de militantes da (FPV), membros de organizações sociais, sindicalistas e outros grupos aliados de Kirchner. Daniel Scioli, candidato presidencial apoiado por Cristina e derrotado por Macri na eleição de novembro passado participou do protesto, assim como outros kirchneristas. A passeata teve ainda os ex-ministros Axel Kicillof (Economia) e Agustín Rossi (Defesa), e o ex-presidente das Aerolíneas Argentinas Mariano Recalde, entre outros.

“Não permitiremos que se viole a Constituição como ocorre com a designação dos ministros da Suprema Corte, nem que se modifiquem leis através decretos, como no caso da lei dos meios de comunicação”, advertiu o deputado Héctor Recalde, chefe do bloco parlamentar kirchnerista Frente para a Vitória (FPV). Os manifestantes reagiram à decisão do governo Macri de colocar sob a órbita do novo ministério da Comunicação o organismo autônomo Autoridade Federal de Serviços de Comunicação Audiovisual (AFCSA), criado pela lei de Serviços Audiovisuais para garantir sua aplicação.

Leia mais

Mauricio Macri: do Boca Juniors à Casa Rosada

Novo presidente argentino pode melhorar relação com Brasil e Mercosul

(Da redação)