Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Graziano assume FAO e promete que dará prioridade à África

Por Da Redação - 3 jan 2012, 14h14

Roma, 3 jan (EFE).- O novo diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva, assegurou nesta terça-feira que a África será uma prioridade para a entidade durante seu mandato e lembrou que o combate à fome é um compromisso de todos.

Em seu primeiro comparecimento perante a imprensa após assumir o cargo, em 1º de janeiro, Graziano manifestou, além disso, que seu desejo é trabalhar ‘da forma mais transparente e democrática’ com os países-membros, os diferentes organismos da ONU, o setor privado e a sociedade civil.

Para Graziano, o objetivo principal de seu mandato é trabalhar para a erradicação da fome. Ele destacou que para alcançar isso é necessário uma ‘vontade política’ que se traduza em ‘ações concretas’.

O diretor se mostrou convencido de que é possível reduzir pela metade o número de famintos no mundo até 2015 e ressaltou que ‘não há tempo a perder’.

Publicidade

Graziano lembrou que a FAO dispõe de recursos limitados e, por isso, explicou que dará prioridade aos países com maiores necessidades, localizados na África.

Para o funcionário da Onu, a América Latina é uma ‘região muito privilegiada em temas de agricultura e segurança alimentar’ e onde existe uma série de leis para abordar o problema, por isso disse que considera que a região está à frente de outros países do mundo neste aspecto.

O mandato de Graziano, que sucede o senegalês Jacques Diouf, vai até 2015. Nesse período, ele também afirmou que pretende avançar na consolidação de um sistema de produção e consumo mais sustentável, fomentar uma maior justiça na gestão mundial de alimentos, completar a reforma da FAO e ampliar a cooperação sul-sul.

Graziano destacou que não espera um ‘aumento dramático da fome’ mas ressaltou que o mundo já se encontra num nível dramático com cerca de um bilhão de famintos.

Publicidade

O diretor disse ainda que se em alguns países o problema não vai aumentar, em locais como a Ásia e África a situação pode se agravar. A FAO espera poder estar ‘mais próxima’ dessas regiões através de uma série de medidas que permitam a organização ser ‘mais efetiva e descentralizada’, garantiu.

O responsável pela entidade ressaltou que trabalhará para tornar a FAO mais eficaz, reduzindo custos administrativos e a burocracia.

Sobre o impacto que a crise econômica pode ter em 2012, Graziano afirmou que não espera reduções dos fundos por parte dos países desenvolvidos, mas ao mesmo tempo a recessão pode provocar um aumento nas pessoas que necessitam de ajuda.

Sobre o preço dos alimentos, Graziano disse que espera que os produtos não aumentem como ocorreu nos últimos dois anos, mas que também não prevê uma redução. EFE

Publicidade