Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Governadora pede a castração dos agressores de indiana

Morte da jovem vítima de um estupro coletivo, no sábado, revolta a população

Por Da Redação 1 jan 2013, 08h48

A governadora do estado indiano de Tamil Nadu, J. Jayalalithaa, pediu nesta terça-feira a castração dos agressores sexuais de uma jovem indiana, após sua morte no sábado. O estupro coletivo de que foi vítima revoltou a população da Índia. “Vamos pedir que a lei tenha emendas e passe a permitir a castração química dos estupradores”, disse Jayalalithaa em comunicado.

A chefe do governo regional também propôs o início de um mecanismo de julgamentos rápidos para esse tipo de crime. Ela se mostrou partidária de que “se revisem os casos de assédio sexual que continuam pendentes nos tribunais, para que se acelerem os processos e se faça justiça o mais rápido possível”.

A declaração ocorre após a imprensa local publicar na segunda que o Partido do Congresso, de situação, estuda a aprovação de uma lei que permita a castração dos violadores em determinados casos. A Índia permanece comovida pelo caso de estupro, há 15 dias, de uma jovem por seis homens quando voltava para casa em um ônibus do qual os agressores a jogaram em movimento, o que a deixou em estado grave.

Após ser operada várias vezes em Nova Délhi, a jovem, de 23 anos, foi transferida a um hospital de Cingapura, onde morreu. O fato gerou uma onda de indignação sem precedentes na Índia, onde nas últimas duas semanas houve muitas manifestações de protesto contra a falta de ação policial em defesa de mulheres que sofrem assédio sexual.

Nesta terça, a polícia prendeu um homem que tentava colocar uma bomba de fabricação caseira perto da casa de um dos acusados do estupro coletivo contra a jovem. O suspeito de 37 anos foi detido perto do Campo Ravi Dass, uma favela ao sudoeste de Nova Délhi, onde moravam quatro dos seis acusados. Os outros dois moravam nas proximidades da capital indiana.

Leia também:

Leia também: Suspeitos de estuprar indiana responderão por assassinato

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade