Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

George Floyd: Polícia de Minneapolis tem padrão de abuso, diz relatório

Iniciada há dois anos, investigação do Departamento de Justiça dos EUA revela frequente brutalidade policial e discriminação contra população negra

Por Da Redação
16 jun 2023, 15h52

Três anos após o assassinato de George Floyd, o procurador-geral dos Estados Unidos, Merrick Garland, comunicou nesta sexta-feira, 16, a existência de um “padrão de violência excessiva” no Departamento de Policia de Minneapolis, cidade em que ocorreu o crime, e de anos de discriminação contra a população negra na instituição. O pronunciamento de Garland está ligado à divulgação do resultado da investigação sobre a morte de Floyd, em maio de 2020.

Durante uma coletiva de imprensa, o procurador-geral destrinchou as informações coletadas pelo Departamento de Justiça nos últimos dois anos. A investigação analisou o padrão de comportamento e conduta das forças de segurança da cidade americana, incluindo dados de antes e depois do assassinato de Floyd por policiais.

“Descobrimos que o Departamento de Policia de Minneapolis está envolvido em um padrão ou prática de uso de força excessiva, discriminando ilegalmente negros e nativos americanos em atividades de fiscalização, violando os direitos das pessoas envolvidas em discurso protegido e discriminando pessoas com deficiências comportamentais ao responder a crises”, informou Garland.

+ Protestos eclodem pelos EUA criticando policiais por morte violenta

Ao afirmar que “George Floyd deveria estar vivo hoje”, ele destacou o “impacto irrevogável em Minneapolis, no país e no mundo” dos meses de manifestações que demandavam justiça, garantia dos direitos de pessoas negras e o fim da brutalidade policial.

Em uma abordagem violenta, Floyd foi imobilizado e asfixiado pelo policial Derek Chauvin, que se ajoelhou sobre o corpo do homem negro por mais de 9 minutos, sob a justificativa de que teria usado uma nota falsa em um supermercado,

Continua após a publicidade

Chauvin foi condenado a 20 anos de prisão pela Justiça federal. Apesar de ter expressado o desejo de que os filhos da vítima “triunfem” na vida, ele não pediu desculpas pelo crime cometido. Outros três policiais, que estavam presentes no momento do homicídio, também foram presos. Após a deliberação, o Departamento de Justiça iniciou uma ampla investigação sobre os agentes de Mineápolis.

No que considerou uma violação à Constituição americana, Garland disse que, mesmo com o trabalho exemplar de uma parcela dos agentes de segurança da cidade, os padrões de resposta do Departamento de Polícia de Minneapolis “tornaram possível o que aconteceu com George Floyd”.

+ Ex-policiais são condenados por violar direitos civis de George Floyd

“Como um líder da cidade nos disse, ‘esses problemas sistêmicos não ocorreram apenas em 25 de maio de 2020 [quando Floyd foi assassinado]. Houve casos como esse, que foram relatados pela comunidade muito antes disso”, concluiu.

Além disso, Kristen Clarke, procuradora-geral assistente de direitos civis, trouxe à luz uma série de incidentes, alguns fatais, de vítimas de abusos e da brutalidade de policiais locais. Ela destacou, ainda, que foram empregados o uso de spray de pimenta e de força corporal de formas que ferem a lei.

Continua após a publicidade

“O departamento de polícia de Mineápolis usa rotineiramente força excessiva, muitas vezes quando nenhuma força é necessária, incluindo o uso irracional de Tasers”, afirmou, referindo-se a armas de choque. “Descobrimos que os policiais usam força letal sem motivo provável para acreditar que haja uma ameaça imediata grave ao policial ou a outra pessoa”.

+ Derek Chauvin é condenado por violar os direitos civis de George Floyd

O prefeito de Minneapolis, Jacob Frey, que ocupava cargo na época do assassinato, e o novo chefe de polícia, Brian O’Hara, também participaram da coletiva. Enquanto O’Hara reconheceu a “dor, raiva, frustração, medo e sensação de vulnerabilidade” enfrentada pela comunidade local, Frey ressaltou a relevância da investigação para a história da cidade.

“Hoje marca um novo capítulo na história da segurança pública em Minneapolis. Nosso sucesso será definido pelo fato das pessoas de Minneapolis se sentirem seguras ao interagirem com a polícia em nossa cidade. Não vamos parar até que cada pessoa em cada bairro e código postal se sinta segura interagindo com a polícia”, prometeu o prefeito.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.