Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Fukushima busca sugestões para tratar água radioativa

Grupo de especialistas foi convocado pelo governo para apresentar alternativas

Por Da Redação 26 dez 2013, 00h37

Um grupo de especialistas convocado pelo Ministério da Indústria japonês começou a analisar como tratar adequadamente a água radioativa que se acumula na usina nuclear de Fukushima, informou nesta quinta-feira o canal NHK. A comissão vai analisar principalmente os desafios para administrar milhares de toneladas de líquido contaminado com trítio, única substância radioativa que até agora não está sendo eliminada durante o tratamento da água.

Leia mais:

Vazamento de 1,8 tonelada de água contaminada é detectado em Fukushima

O grupo analisará o risco que representa armazenar água contaminada com este material e também o que implicaria despejá-la de maneira controlada no mar, uma opção considerada pela autoridade reguladora japonesa e pela própria Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Composta por nove especialistas em materiais radioativos, a comissão espera determinar quais são as opções mais viáveis. As conclusões serão apresentadas em um relatório que deve ser divulgado no final de março.

Vazamentos – Nas instalações de Fukushima existem mil tanques que armazenam água, alguns dos quais sofreram vazamentos graves, como o que aconteceu no ano passado, quando vazaram 300 toneladas de líquido muito radioativo, parte do qual foi parar no mar. O governo japonês estima que o volume de água contaminada armazenada em depósitos alcançará no futuro as 800 000 toneladas.

Controlar os vazamentos nessas cisternas e também do líquido contaminado que se acumula nos porões dos reatores representa o principal desafio para os 3 500 técnicos que trabalham na usina. As emissões poluentes da central, afetada pelo terremoto e tsunami que devastou o nordeste do Japão em 11 de março de 2011, mantêm longe de casa mais de 52 000 pessoas que viviam perto da usina e afetaram gravemente a agricultura, a pecuária e a pesca local.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade