Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Frio e neve matam 6 pessoas na Bósnia

Por Da Redação 3 fev 2012, 15h54

Sarajevo, 3 fev (EFE).- Seis pessoas morreram nesta sexta-feira na Bósnia devido às baixas temperaturas e à neve, que não para de cair desde a noite passada em quase todo o país balcânico, informou o site bósnio ‘Sarajevo-x.com’.

De acordo com o site, cinco das mortes aconteceram em Sarajevo, capital do país, enquanto a sexta foi registrada na cidade de Mostar.

Segundo as autoridades sanitárias bósnias, algumas das vítimas morreram pelo esforço físico excessivo quando limpavam a neve das ruas na capital.

A neve paralisou hoje quase todo o país balcânico, e impediu o funcionamento das escolas em várias regiões. Além disso, várias aldeias montanhosas da Bósnia estão isoladas pela neve.

Na vizinha Sérvia, aumentou desde ontem de 14 para 26 o número de municípios onde foi proclamada situação de emergência.

Continua após a publicidade

Desde o início do temporal morreram seis pessoas na Sérvia, enquanto 11.500 pessoas em aldeias montanhosas de difícil acesso seguem isoladas e 17 mil estudantes perderam aulas por conta das más condições meteorológicas.

A fim de prevenir problemas de provisão de energia, o Governo sérvio pediu ao Ministério da Educação que ‘analise a possibilidade de suspender ou reduzir’ o trabalho das escolas nos próximos dias.

Também recomendou aos consumidores industriais que ‘reduzam o consumo ao mínimo tecnológico, em conformidade com as possibilidades técnicas’, e pediu a outros consumidores a ‘máxima racionalização’ no uso de energia e combustíveis.

O conselheiro do primeiro-ministro para a energia, Petar Skundric, declarou hoje à agência de notícias ‘Tanjug’ que o consumo de energia elétrica chegou a seu recorde histórico, com 160 milhões de quilowatt-hora ao dia.

Também foi reduzida em dois milhões de metros cúbicos a provisão de gás natural à Sérvia pelo frio, embora por enquanto não afete os consumidores, já que a redução pode ser compensada com as reservas da distribuidora nacional. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade